AEB comemora 28 anos e mira protagonismo na corrida espacial

AEB quer Brasil atuante na corrida espacial
Cerimônia de comemoração nesta quinta (10) destacou projetos como a Constelação Catarina e o Amazonia 1

Ressaltando que o Brasil precisa estar inserido no crescente mercado da corrida espacial, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Moura, afirmou que a agência alcançou a maturidade para enfrentar os desafios de um cenário dinâmico e desafiador do mercado aeroespacial: “O Brasil não pode ficar alheio às iniciativas da corrida espacial e ser um mero espectador dos produtos de qualidade desenvolvidos no exterior”, afirmou Moura durante cerimônia pelos 28 anos da AEB, realizada na manhã desta quinta-feira (10), em Brasília.

O evento, que contou com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, além de autoridades brasileiras e estrangeiras, serviu para homenagear diversas pessoas que, durante esses 28 anos, contribuíram para o sucesso da AEB. “O Brasil é um país continental. Precisamos de um setor espacial forte. Com isso, temos melhor agricultura, mais segurança, melhor meio ambiente”, afirmou Pontes, citando como um dos grandes destaques do programa espacial brasileiro o Amazonia 1, primeiro satélite 100% nacional, lançado no ano passado para monitoramento ambiental.

Um dos homenageados, o embaixador brasileiro Nestor Costa Júnior, salientou a importância da adesão do Brasil ao Programa Artemis, da NASA, “o mais ambicioso desde o Programa Apollo, que representa uma verdadeira revolução tecnológica e abre oportunidades para a indústria brasileira”. Em junho do ano passado, o Brasil tornou-se o 12º país a participar do Artemis, que pretende instalar uma base sustentável na Lua para manter uma presença humana permanente no satélite e, de lá, desenvolver tecnologias para levar o homem à Marte.

De acordo com Marcos Pontes, a participação do Brasil no Artemis vai abrir espaço para startups brasileiras de tecnologia, centros tecnológicos e para a indústria aeropespacial do Brasil participarem em um dos mais ousados e avançados projetos da atualidade, no mundo.

Leia também:

Outro nome importante lembrado por Moura foi o do deputado Daniel Freitas (PSL-SC), líder da Frente Parlamentar Mista para o Programa Espacial Brasileiro, lançada em 2020, e que, no ano passado, deu seus primeiros frutos, como o início do desenvolvimento dos primeiros nanossatélites da Constelação Catarina. Composta por 13 satélites, a frota está sendo construída em Santa Catarina pelo Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com apoio da AEB e a participação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Um dos principais homeageados da cerimônia foi o coronel Walter Carrara, responsável por identificar o local geográfico para instalação da Base de Lançamento em Alcântara, no Maranhão, idealizar toda a infraestrutura do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), inaugurado em 1983, e comandar o CLA durante seus primeiros anos.

Veja também

Agro e Ambiental

OCTA lança Observatório Regional com dados dos oito países amazônicos

Seguindo uma diretriz do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA) firmado entre os oito países da região (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela), a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) lançou na semana passada o Observatório Regional Amazônico (ORA). Trata-se de um centro de referência de informações e

Não perca as notícias de geoinformação