Agência iNFRA e Geocracia celebram parceria para abordar informação como infraestrutura

Os dados são o petróleo do século XXI. A frase não é nova, mas torna-se mais e mais verdadeira com o passar do tempo, sobretudo por se tornar o setor de infraestrutura cada vez mais dependente de metadados, bases georreferenciadas interoperáveis e atualizadas em tempo real.

Pensando nisso, a Agência iNFRA, a maior agência de notícias do setor de infraestrutura no Brasil, acaba de firmar uma parceria para divulgar com prioridade o conteúdo do Geocracia, o portal que aborda a infraestrutura de dados e geoinformação do ponto de vista da cidadania, chamando a atenção para importância de o país regulamentar a estatística, a geografia e a cartografia nacional e dinamizar um setor que, em todo o mundo, está orientando a economia do futuro.

Para Dimmi Amora, sócio-diretor da Agência iNFRA, “há um enorme campo de oportunidades para se trabalhar informação na área de infraestrutura que precisa ser melhor compreendido”. Luiz Ugeda, fundador da Geocracia, ressalta que “essa é uma oportunidade para disseminar esse conceito no Brasil com a excelência da iNFRA, fixando de vez que os dados são um setor emergente da infraestrutura nacional”.

Em breve, conteúdo do Geocracia estará disponível na coluna Infra Data, no site da Agência iNFRA, possibilitando que investidores em infraestrutura acompanhem o noticiário que envolve o tema da infraestrutura de base de dados, fundamental para setores como energia, saneamento, rodovias, ferrovias, planejamento urbano, agricultura, entre outros.

Já os leitores do Geocracia terão acesso, em primeira mão, a alguns conteúdos exclusivos da Agência iNFRA.

Veja também

Geo e Legislação

‘O Hóspede Americano’: a lendária saga que uniu Roosevelt e Rondon, em 1914

Imagine um ex-presidente americano que, frustrado após perder uma eleição, decide se embrenhar na selva amazônica, ao lado de exploradores brasileiros, como parte de uma missão científica. Loucura, não? Agora, pense isso, não nos dias de hoje, com toda a tecnologia, conforto e conhecimento existentes, mas em 1914, quando a

Não perca as notícias de geoinformação