Após 4 séculos, Projeção de Mercator ainda gera polêmica

Projeção de Mercator
Com a Projeção de Mercator, quanto mais próximo dos pólos, mais o tamanho das terras é distorcido… e aumentado. (Wikimedia Commons)

Edmilson Volpi*

Navegando pela versão digital de um jornal da Galícia, o editor do site espanhol Geografia Infinita, Gonzalo Prieto, confessa que ficou incomodado com o título de um artigo: “Gerardus Mercator: Por causa deste homem, a Europa acredita que é o umbigo do mundo”, para ele um clássico click bait, com intenção de atrair cliques com uma chamada sensacionalista. Segundo Prieto, acusar o famoso cartógrafo belga do século 16 de, com sua técnica cartográfica, aumentar o tamanho da Europa à custa de diminuir as terras que o “velho continente colonizou com sangue e fogo para justificar o colonialismo europeu é totalmente descabido. Não parece que era isso que ele estava procurando”.

Mas, então, o que buscava o criador da Projeção de Mercator, uma das técnicas mais utilizadas até hoje para representar o globo terrestre em folhas com duas dimensões?

O grande dilema da projeção cartográfica, e que desafia os cartógrafos até os dias atuais, é justamente como representar algo tridimensional em uma folha de papel com duas dimensões. No século 16, esse desafio era ainda maior, pois mapas com a localização das novas terras e rotas para lá chegar eram documentos altamente confidenciais e estratégicos para a soberania de muitos países.

Leia também:

Mercator resolveu a questão da projeção de uma maneira simples, mas engenhosa, propondo a sobreposição da folha cartográfica em volta do globo, formando um cilindro (veja figura abaixo). Quando desenrolado, o cilindro, se transforma no mapa pronto, mas com um problema: quanto mais nos aproximamos dos pólos, maior a distorção, com as terras aumentando de tamanho.

Como é feita a Projeção de Mercator (domínio público)

O resultado é um mapa com suas porções mais ao Norte e mais ao Sul exageradas, como a famosa questão da Groenlândia, que, sim, é a maior ilha do mundo, mas não do tamanho da África, como se vê no mapa do alto dessa página; mas do tamanho do México.

Projeção de Mercator, chave para a navegação

Usando sua famosa projeção cilíndrica, Mercator criou a sua primeira carta, Nova et Aucta Orbis Terrae Descriptio ad Usum Navigatium Emendate (imagem abaixo), em 1569, revolucionando a cartografia da época.

Primeiro mapa feito por Mercator usando sua famosa projeção, em 1569 (domínio público)

Em sua página do Twitter, Neil Kaye, um cientistas de dados climáticos, montou uma animação que mostra bem as distorções provocadas pela Projeção de Mercator, corrigindo as dimensões dos territórios. Quanto mais claras as cores do início do vídeo, mais longe do tamanho real está o pedaço de terra:

Várias outras técnicas de projeção foram feitas posteriormente para tentar reduzir as distorções de Mercator e nos apresentar uma representação 2D da Terra o mais próximo da realidade possível. Para Pietro, no entanto, o problema nunca foi a projeção em si, que busca uma representação plana da terra com uma determinada finalidade, no caso de Mercator, facilitar a navegação. 

Pietro acha muito difícil ver alguma intencionalidade na escolha Mercator, um homem que, por conta de sua visão do mundo, já tinha escapado da morte por heresia – essa sim uma ameaça real que pairava sobre as cabeças dos questionadores da época. “Ele não era um homem alinhado a nenhum mainstream, mas um simples retratista do espaço físico circundante, um cartógrafo, (…) um humano localizado em um ponto da Terra que viu o mapa do seu ponto de vista”.

Leia aqui o artigo original, e aqui a tradução no Curiosidades Cartográficas. em

Edmilson M. Volpi é engenheiro cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook Instagram

Veja também

Infra e Cidades

IBGE atualiza Base Cartográfica Contínua do país na escala 1:250.000

O IBGE apresentou, nesta quarta-feira (08), a quinta edição da Base Cartográfica Vetorial Contínua do Brasil (BC250), na escala 1:250.000, disponível em formatos livres (shapefile, geopackage e dump do PostGis) para utilização em Sistemas de Informação Geográfica (SIG). Lançada em 2013, a base é atualizada a cada dois anos e

Entrevistas e Artigos

Artigo: Georreferenciamento para imóveis rurais a partir de 25 hectares

Bruno Drumond Gruppi e Rodrigo Elian Sanchez A lei 10.267/01, posteriormente regulamentada pelo decreto 4.449/02, alterou a lei 6.015/73 (lei de Registros Públicos), para impor a averbação da descrição georreferenciada e certificada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra, nos imóveis rurais a fim de atender ao

Não perca as notícias de geoinformação