Artur Gil: SoilSpec4GG dá acesso livre a biblioteca global espectral de solos

OSSL Explorer (reprodução)

A rede global Soil Spectroscopy for the Global Good Coordinated Innovation Network (SoilSpec4GG) acaba de anunciar a disponibilização pública e aberta da Open Soil Spectral Library (OSSL) por meio da plataforma OSSL Explorer.  

Segundo a SoilSpec4GG, a pertinência de uma biblioteca espectral de solos de âmbito global como a OSSL surge da necessidade de dados de solo de alta qualidade para apoio à decisão em agronomia, com custo operacional de aquisição no campo geralmente elevado.

A espectroscopia de reflectância consiste na medição da adsorção de luz em diferentes comprimentos de onda, e tem-se revelado um importante, rápido e barato complemento para as análises químicas de solo tradicionais.

Um dos obstáculos para uma adoção mais ampla das técnicas de espectroscopia do solo é a necessidade de construir grandes bases de dados de referência que permitam a aplicação de análises de dados complexas. A OSSL visa a preencher essa lacuna, possibilitando que as comunidades científica e técnica possam obter e contribuir com dados de solo fiáveis, transparentes e acessíveis.

Leia também:

Todos os dados compilados na OSSL são disponibilizados sob as licenças de acesso livre MIT e CC-BY. Qualquer usuário da plataforma pode estender, desenvolver e até mesmo criar mais-valias comerciais com base nesses dados e código.

Saiba mais sobre o desenvolvimento desta iniciativa no repositório GitHub.   

Veja aqui a apresentação da OSSL (em inglês).

*Artur Gil é Investigador em Ciências e Tecnologias Geoespaciais no Instituto de Investigação em Vulcanologia e Avaliação de Riscos (IVAR) da Universidade dos Açores (Ponta Delgada, Portugal)

Veja também

Geo e Legislação

Mapeamento do mar abre novas fronteiras à economia, tecnologia e biodiversidade

Em entrevista ao Jornal da USP, o professor Michel Michaelovitch de Mahiques, do Departamento de Oceanografia Física, Química e Geológica do Instituto Oceanográfico (IO) da USP, afirma que o mapeamento dos mares brasileiros permitiria que o país explorasse não só os minérios estratégicos no leito do oceano, mas também outros

Não perca as notícias de geoinformação