As missões espaciais de 2022

Juice, da Agência Espacial Europeia, vai explorar três luas de Júpiter (divulgação)

O ano de 2022 promete ficar na história da corrida espacial, com avanços em diversas missões importantes por parte de agências espaciais de vários países. Fique atento para acompanhar o que vem por aí.

Juice investiga luas de Júpiter

A Agência Espacial Europeia (ESA) deve lançar em maio a missão Juice (Jupiter Icy Moons Explorer) para explorar três das maiores luas de Júpiter – Ganimedes, Calisto e Europa –, que por conterem água em estado líquido abaixo da superfície, têm grandes possibilidades de abrigar vida. A sonda (imagem acima) deve chegar à órbita do planeta em 2029, e a Ganimedes, em 2032, sendo o primeiro equipamento humano a orbitar um satélite que não a nossa Lua.

Leia também:

Missão Artemis quer ocupar Lua

Entre março e abril, a NASA deve lançar o Space Launch System (SLS), o foguete mais poderoso que a agência espacial americana já construiu, com mais de 100 metros de altura. O lançamento marca o pontapé inicial na missão Artemis, que reúne 12 países (entre eles o Brasil) e pretende estabelecer uma base sustentável para presença permanente do homem na Lua. O SLS, que passa por uma fase de testes no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, deve fazer um voo de teste não tripulado para levar a espaçonave Orion até a órbita lunar.

Leia mais: Brasil é 12º país a aderir ao Artemis, que estabelecerá base permanente na Lua

Concepção artística da missão Artemis (NASA)

Starship mira em Marte

Em março, a SpaceX deverá lançar sua nova espaçonave reutilizável, que irá substituir os atuais veículos de lançamento Falcon 9 e Falcon Heavy e a cápsula Dragon. A Starship, que deverá ficar em órbita por um breve período e reentrar na atmosfera terrestre para pousar no Oceano Pacífico, foi projetada para futuras missões tripuladas a Marte.

Starship é desenhada para levar missões tripuladas a Marte (imagem: SpaceX)

Luna 25: os russos estão de volta

Depois de quase 50 anos ausente, a Rússia vai mandar uma missão não tripulada à Lua, em julho. O projeto Luna 25 é composto por um orbitador e um módulo de aterrissagem que fará o primeiro pouso no Polo Sul do satélite. Uma referência ao programa Luna, da extinta União Soviética, a missão vai explorar o solo e a exosfera da Lua a partir de nove instrumentos científicos que serão levados a bordo da espaçonave, incluindo um braço robótico para coletar amostras de solo e um possível equipamento de perfuração. 

Luna 25 põe os russos novamente na Lua, após quase 50 anos

DART acerta o alvo

Lançada em novembro do ano passado como a primeira tentativa de se atingir um corpo celeste e mudar sua rota, a missão DART (Double Asteroid Redirection Test  – em português, teste de redirecionamento de asteroide duplo) deve atingir seu alvo: o asteroide Dimorpho, a cerca de 10 milhões de km da Terra. A missão é um teste para se uma eventual estratégia de defesa do planeta, caso seja preciso evitar o choque com um objeto no futuro.

Leia mais: Contra asteróide duplo, NASA lança missão pioneira

Imagem: NASA (divulgação)

Conclusão da Estação Espacial Chinesa

Deve estar concluída este ano a Estação Espacial Chinesa (a Tiangong-3). A construção começou em 2021. Um módulo de laboratório, o Wentian, será lançado para se acoplar ao módulo principal – o Tianhe, o primeiro enviado para a órbita da Terra. No fim deste ano, um terceiro módulo (o Mengtian) deve ser enviado para completar a Estação. Concebida como a antiga estação russa, a Mir, que recebe novos módulos acopláveis, a estação funcionará como um laboratório espacial, realizando experimentos de ciência, biotecnologia, física, microgravidade e outros.

Imagem: Wikimedia Commons

Fonte: Super Interessante

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação