Atlas Digital Costeiro do Ceará mapeia potencial da Economia Azul

Seleção de áreas com potencial eólico (on e offshore) no Estado do Ceará (reprodução)

O governo do Ceará apresentou recentemente o Atlas Digital Costeiro e Marinho do Ceará, plataforma que faz parte dos Projetos Específicos do Programa “Planejamento Costeiro e Marinho do Ceará” e “Sistema de Informações Geográficas (SIG) Ambiental do Ceará” e conta com o apoio de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Estadual do Ceará (Uece), do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e da Marinha do Brasil.

Hospedado de forma virtual na Plataforma Estadual de Dados Espaciais (PEDE), o Atlas, que pode ser acessado aqui, pretende dar suporte, entre outras atividades, à pesca, aquicultura, mineração, turismo, energias renováveis e hidrogênio verde, apresentando características químicas, físicas e biológicas do mar. 

O coordenador do Planejamento Costeiro e Marinho do Ceará, Eduardo Lacerda Barros, e o coordenador do Sistema de Informações Geográficas (SIG) Ambiental do Ceará, Renan Gonçalves Pinheiro Guerra, enfatizam que o formato websig da plataforma digital permitirá maior celeridade no processo de tomada de decisão, fiscalização e licenciamento ambiental. Além de novas oportunidades para a economia do mar e a economia verde, isso dará maior difusão, acesso aos dados e conhecimento sobre a zona costeira e o ambiente marinho cearenses.

Leia também:

Fruto do Programa Cientista-Chefe Meio Ambiente, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Ceará (Sema) e da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), a plataforma on-line será constantemente atualizada, podendo servir de base a gestores municipais, estaduais e federais, alunos de escolas e Universidades, além de empreendedores da iniciativa privada.

Fonte: Governo do Ceará

Veja também

Agro e Ambiental

Atlas reúne informações sobre os povos indígenas em Pernambuco

Pesquisadores apresentam portal que resgata as etnias indígenas do Pernambuco. O Atlas do Pernambuco Indígena reúne trabalhos acadêmicos e científicos, além de uma cartografia que abrange mais de dez povos indígenas da região pernambucana, para além da sua geografia atual. Segundo o professor Estevão Palitot, idealizador e coordenador de pesquisa

Não perca as notícias de geoinformação