CBA cadastra população a jusante de barragens

barragens
Barragens da CBA, como a de Itupararanga, nos municípios de Sorocaba, Ibiúna e Votorantim, terão ZAs mapeada (imagem: Prefeitura de Sorocaba)

A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) iniciou na última quarta-feira (5) o cadastramento populacional da região de Sorocaba e Votorantim, municípios onde se localizam suas usinas hidrelétricas de Itupararanga, Votorantim e Santa Helena. Em parceria com o poder público, a iniciativa segue a nova Política Nacional de Segurança de Barragens, que entrou em vigor com a Lei 14.066, de 2020.

A Lei estabelece que o Plano de Ação e Emergência (PAE) deve conter um levantamento cadastral e o mapeamento atualizado – incluindo a identificação de vulnerabilidades sociais da região – da população existente na Zona de Autossalvamento (Zas), trecho do vale imediatamente à jusante da barragem, que exige evacuação, de acordo com o estabelecido no PAE.  

O PAE é parte fundamental de todo Plano de Segurança, e ambos são aperfeiçoados periodicamente. Na elaboração do PAE, são realizados estudos técnicos para mapeamento das zonas de influência direta das barragens. Na fase de implementação, além do levantamento cadastral da população residente na Zas, é feita a instalação de placas de rota de fuga e sirenes. Depois disso, são realizados simulados de evacuação de emergência.  

Leia também:

Para realizar o trabalho de cadastramento, a CBA contratou a Messen Cartografia, que será responsável por visitar casas, imóveis comerciais e industriais, órgãos públicos e outras propriedades, abordando as pessoas e solicitando que respondam o questionário de cadastro.  

“Todos os profissionais da empresa seguem protocolos de segurança: estarão uniformizados e irão se identificar no início da abordagem, apresentando crachá com documento”, explica Helena Nunes, gerente de Engenharia Civil e Segurança de Barragens da CBA.  De acordo com ela, todos os dados coletados serão utilizados apenas para fins de cadastramento populacional, seguindo a legislação de Segurança de Barragens, respeitando assim a Lei de Proteção de Dados. 

“A segurança de barragens e do entorno é fundamento constante da CBA. Além do sistema robusto de gestão de barragem, que contempla rotinas de monitoramentos diárias, quinzenais e semestrais e atualizações frequentes, a companhia também desenvolve ações para promover a cultura de prevenção nas comunidades em que atua”, afirma Leandro Faria, gerente geral de Sustentabilidade da CBA, acrescentando que as usinas hidrelétricas são parte fundamental da estratégia ESG da empesa, pois contribuem para a produção de alumínio de baixo carbono.  

Atualmente, a CBA faz a gestão de 17 usinas hidrelétricas e tem participação em consórcio de outras seis. 

Fonte: Gazeta de Votorantin

Veja também

Geo e Legislação

O dilema ético dos implantes de saúde geolocalizados

Em artigo para o canal Link, do Estadão, o engenheiro Demi Getscheko, presidente do NIC.br, reconhece que os dispositivos eletrônicos vestíveis e geolocalizáveis, como marca-passos cardíacos e bombas reguladoras de insulina, são um avanço, mas trazem riscos para a segurança, além de levantarem questões éticas quanto à invasão da privacidade.

Não perca as notícias de geoinformação