Conheça o primeiro Atlas criado para um país

Atlas de Saxton
Mapa dos condados da Inglaterra, 1579 – imagem: domínio público (Biblioteca Britânica).

Edmilson Volpi*

Na Grã-Bretanha do século XVI, a cartografia era uma parte importante do mapeamento preciso das terras do país. Como relata Caitlin Dempsey, editora do Geography Realm, os avanços no levantamento cartográfico e na impressão de cobre ajudaram a elevar a elaboração de mapas. Na década de 1570, o cartógrafo inglês Christopher Saxton, criou o primeiro Atlas de um país.

Financiado por Thomas Seckford, funcionário da corte, e com a orientação de Sir William Cecil (mais tarde Lorde Burghley), Saxton produziu a compilação de mapas sobre os condados da Inglaterra e do País de Gales. O levantamento cartográfico feito por Saxton começou na Inglaterra, em 1574. Em 1578, todos os levantamentos foram concluídos e, em 1579, a obra foi publicada.

Intitulado “Atlas dos condados da Inglaterra e do País de Gales”, o manuscrito também contém mapas da Escócia e das costas da Noruega, Lapônia e Noroeste da Rússia. Também é conhecida como “O Atlas Elizabetano”, já que os mapas ostentam o brasão de armas da Rainha Elisabeth.

Parte da obra de Saxton, o mapa de Shrewsbury, Shropshire – domínio público (Biblioteca Britânica).

Leia também:

O levantamento de Saxton contém 35 mapas que podem ser visualizados online. A Biblioteca Britânica digitalizou completamente a cópia de propriedade de Lorde Burghley, chamada de ‘Atlas Burghley’ e que pode ser acessada na íntegra no site da Biblioteca. O material foi bastante utilizado por Burghley, com muitas das páginas contendo suas anotações e observações, como a da foto abaixo.

O mapa de Essex contém anotações com observações de Burghley.

Veja a aqui publicação original e a tradução no Curiosidades Cartográficas.

Edmilson M. Volpi é engenheiro cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook e Instagram

Veja também

Agro e Ambiental

Em Política Ambiental do Judiciário, CNJ define que imagem geo é prova judicial

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu como uma das diretrizes da Política Nacional do Poder Judiciário para o Meio Ambiente (PNPJMA) a “utilização de recursos tecnológicos, de sensoriamento remoto e de imagens de satélite como meio de prova judicial e de criação de inteligência institucional para prevenção e recuperação

Não perca as notícias de geoinformação