Descoberto planeta com forma de bola de rugby

Concepção artística do exoplaneta WASP-103b – imagem ESA (reprodução)

Uma equipe internacional de astrônomos conduzida por cientistas do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), em Portugal, descobriram, com base em observações da missão espacial Cheops, da Agência Espacial Europeia (ESA), um exoplaneta que tem a forma de uma bola de rugby. O Wasp-103b, como está sendo chamado, tem esse formato graças à deformação gravitacional provocada pela proximidade da estrela em torno da qual orbita, levando apenas um dia para fazê-lo.

“Com uma proximidade tão extrema, há muito que os astrônomos desconfiavam que as enormes forças de maré provocadas pela estrela resultariam em uma enorme deformação do planeta, que até agora não tinha sido possível confirmar”, afirma o IA em um comunicado emitido na semana passada.

A pesquisadora Susana Barros, do IA, faz uma comparação com as forças gravitacionais aqui na Terra: “Temos marés provocadas pela Lua e pelo Sol, mas só as vemos no movimento dos oceanos; a parte rochosa da Terra praticamente não se move. Medir quanto o planeta se deforma permite-nos determinar que partes deste são rochosas, gasosas ou água, pois a resistência de um material a ser deformado depende da sua composição”, explica a cientista.

Leia também:

Localizado na Constelação de Hércules, a 2,1 milhões de anos-luz, o Wasp-103b tem uma vez e meia o tamanho de Júpiter e sua estrela é 1,7 vez maior do que nosso Sol, mas com uma temperatura idêntica. Ainda serão necessários novos estudos para determinar como a massa se distribui pelo exoplaneta, o que exigirá mais observações do material captado pelo Cheops complementadas com imagens do novo telescópio espacial James Webb e, futuramente, pelo telescópio Platão, a ser lançado em 2026.

Liderado pela Suíça e pela ESA, o consórcio do Cheops conta com a participação de 11 países europeus e Portugal é representado pelo IA.

Fonte: Público

Veja também

Geo e Legislação

Cresce uso de georreferenciamento no setor elétrico

Reportagem do Canal Energia dá conta da crescente procura por aplicações tecnológicas de sensoriamento remoto usando dados de satélites e nano satélites por empresas do setor elétrico. Objetivo é reduzir custos, planejar melhor operações de geração e distribuição de energia elétrica e realizar o monitoramento ambiental de usinas hidreléticas, medindo

Não perca as notícias de geoinformação