DF: Governo adquire tecnologia de georreferenciamento de última geração

Uma nova antena e um receptor de alto desempenho, que integram a última geração em tecnologia de georreferenciamento, foram adquiridos e instalados pela equipe da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) em sua sede para aprimorar os trabalhos de cartografia e topografia. A pasta é a primeira do Governo do Distrito Federal (GDF) a utilizar esse recurso para melhorar a coleta e produção de coordenadas geográficas, que podem ser úteis em várias situações, como medir com mais exatidão o tamanho de lotes e quadras. 

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Artur Damasceno: Monitoramento ambiental e energético podem ser feitos com geoinformação

Ana Haliuc Bragança: Ilícitos ambientais podem ser combatidos por ferramentas geo

Imagens de satélite fundamentam multa por desmatamento em SP

“As coordenadas geográficas são as referências de posição que permitem a implantação ou localização com precisão de qualquer elemento físico, como lotes, ruas, edificações, rios etc”, explica a coordenadora do Sistema de Informação Territorial e Urbana da Seduh, Litz Bainy. “Com essas coordenadas, também é possível subsidiar a produção de mapas, projetos urbanísticos, imagens e mais uma infinidade de utilidades, voltadas ao georreferenciamento.”

A antena e o receptor adquiridos compõem a chamada Estação de Referência GNSS (sigla em inglês de Global Navigation Satellite Systems). Basicamente, é uma base de monitoramento contínuo que fornece informações em tempo real, pois rastreia satélites 24 horas por dia e, dessa forma, capta e transmite os dados espaciais de forma mais precisa e rápida.

Com isso, as informações captadas pela estação serão atualizadas diariamente pelo Geoportal – plataforma virtual que disponibiliza mapas georreferenciados e oferece uma série de serviços ao cidadão, como mapas urbanos e redes de água e esgoto. Qualquer interessado poderá coletar esses dados para levantamentos topográficos e cartográficos.

“A Seduh está sendo inovadora nesse tipo de sistema no DF”, afirma o diretor de Cartografia e Topografia da pasta, Denilson Braga. “Estamos disponibilizando equipamentos que oferecem dados precisos 24 horas por dia. Os profissionais que trabalham com topografia e cartografia terão dados mais confiáveis e de forma gratuita, o que facilitará muito na execução de trabalhos nas áreas de engenharia, urbanismo, cartografia e topografia.”

Melhor desempenho

Também é esperado que essa inovação melhore o desempenho das atividades relacionadas a cartografia e topografia para profissionais e empresas que atuam na área. “Geralmente, os trabalhos executados em campo precisavam de algo em torno de quatro profissionais e um par de equipamentos GNSS, no mínimo, o que não será mais necessário”, informa Braga.

Além disso, outros órgãos públicos também poderão utilizar a estação de referência GNSS instalada na Seduh. “Ou seja, terão custo menor na compra de equipamentos e ainda vão ter dados confiáveis disponibilizados 24 horas por dia – o que melhora a qualidade de um todo para quem utiliza esse serviço no DF”, garante o diretor.

Licitação

Os equipamentos de última geração foram adquiridos por meio de licitação pública, com recursos provenientes do Fundo de Desenvolvimento Urbano do Distrito Federal (Fundurb).

No DF, apenas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que é um órgão federal, possui uma estação com tecnologia semelhante. A diferença é que a da Seduh terá como foco os projetos no âmbito do Distrito Federal.

A expectativa é que a nova tecnologia esteja disponível a todos os usuários do Geoportal ainda no primeiro semestre deste ano.

De Agência Brasília

Veja também

Agro e Ambiental

Mapeamento quilombola: Brasil tem 1,3 milhão em 1.696 municípios

A população quilombola do país é de 1.327.802 pessoas, ou 0,65% do total de habitantes. Os dados são do Censo 2022, que investigou pela primeira vez esse grupo, integrante dos povos e comunidades tradicionais reconhecidos pela Constituição de 1988. Foram identificados 473.970 domicílios onde residia pelo menos uma pessoa quilombola,

Não perca as notícias de geoinformação