Edmilson Volpi: O muro marroquino do Saara Ocidental

Imagem: O Berma (em vermelho) é 16 vezes maior que o Muro de Berlim (Wikipedia)

Também conhecido como ‘o Berma’, o muro marroquino é uma das maiores barreiras militares ativas do mundo. São 2.700 km de extensão (cerca de 16 vezes mais que o Muro de Berlim) em areia e pedra, com três metros de altura, vigiados por milhares de soldados e radares e protegidos por arame farpado e até cercas elétricas.

Construído entre 1981 e 1987, o Berma divide a área Atlântica do Saara Ocidental, território controlado pelo Marrocos, do lado Leste, dominado pela Frente Polisario, um movimento de libertação saarauí. Foi a luta pela independência do Saarau que levou a Espanha, em 1976, a se retirar do Saara Ocidental, região que controlou por mais de 90 anos. Quando a Espanha se foi, o Marrocos assumiu a costa atlântica e a Mauritânia a porção oriental, tomada em seguida pelos guerrilheiros saarauí, que fundaram a República Árabe Saarauí Democrática (RASD).

Leia também:

Embora as hostilidades tenham terminado oficialmente em 1991 e todo o Saara Ocidental seja declarado pela ONU como território colonizado ainda sob administração espanhola, os campos minados ao redor do muro são palco de inúmeras mortes entre civis do povo saarauí vivendo em campos refugiados dos dois lados, já que, mesmo com toda a vigilância, a Frente Polisario consegue por vezes cavar sob a estrutura. Desde 2008, milhares de refugiados saarauís e ativistas internacionais de direitos humanos pedem a sua demolição.

Fonte: Atlas Obscura

Edmilson M. Volpi é engenheiro Cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook Instagram

Veja também

Agro e Ambiental

Drones já substituem satélites para mapear árvores e desmatamento no Brasil

Como os aparelhos são equipados com GPS, é possível fazer uma programação prévia de voo e geolocalizar cada árvore fotografada. A vantagem dos drones é poder fazer a tarefa dos satélites voando próximo à copa das árvores. No futuro, espera-se que também realizem o trabalho humano, percorrendo o interior das

Não perca as notícias de geoinformação