Edmilson Volpi: Os gráficos do século XIX que colocam cachoeiras em paisagens impossíveis

Detalhe de um mapa de C. Smith & Son com inúmeras quedas d´água. “AN ATLAS OF GEOGRAPHICAL WONDERS”, CORTESIA DE ‘GEOGRAPHICUS RARE ANTIQUE MAPS’

Se você já esteve em uma grande cachoeira, sabe que a experiência pode variar muito. Em um dia escaldante, o borrifo da água parece um aspersor, suave e revigorante. Em um dia mais frio e com ventos, o chuvisco torna-se indesejável. O som da água caindo também pode mudar, de agradavelmente abafado até um rugido estridente.

Para Jessica Leigh Hester, na Atlas Obscura, os gráficos comparativos que viraram febre no final do século XIX nivelaram o mundo e deram aos espectadores um passaporte para suas maravilhas. Eles nunca abrangeram a compreensão ecológica e geológica que a humanidade começava a ter sobre a Terra, mas isso dificulta o prazer de contemplar um gráfico simplificado e artístico sobre as maravilhas do planeta e de deixar seus olhos percorrerem o mundo.

Para ler a tradução para o português, clique aqui.

Para ler o original em inglês, clique aqui.

Edmilson M. Volpi é Engenheiro Cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook e Instagram

Veja também

Entrevistas e Artigos

Rafael Sanzio dos Anjos: “Precisamos valorizar a Geografia afrobrasileira”

Autor de obras sobre a geografia afrobrasileira, o geógrafo e professor titular da Faculdade de Geografia da Universidade de Brasília (UnB), Rafael Sanzio Araújo dos Anjos, afirma que, se assumirmos que as pessoas consideradas “pardas” nos Censos Demográficos do país são, de fato, uma população com graus diferenciados de ascendência

Não perca as notícias de geoinformação