Finanças geoespaciais: a nova fronteira ESG

Imagem: Pixabay

Citando os desafios para os analistas com o crescimento da importância dos aspectos ESG nas finanças, a professora do Mestrado Profissional em Gestão para Competitividade da FGV SP, Annelise Vendramini, defende em artigo para o site Noomis que a saída para as instituições financeiras que consideram aspectos socioambientais em suas análises de risco é apostar nas ferramentas geoespaciais: “Como obter informações confiáveis a respeito de aspectos sensíveis sociais e ambientais dos ativos e projetos em análise? pergunta a especialista, observando ser virtualmente impossível visitar todas as localidades envolvidas no portfólio ou nos projetos em análise. “Para contribuir para esse desafio é que surgiram as chamadas finanças geoespaciais (em inglês, spatial finance)”, explica.

Leia aqui o artigo na íntegra. 

Veja também

Infra e Cidades

Startup quer mapear gap digital das prefeituras

Com a experiência de já ter atuado em mais de 150 cidades, a govtech (startup com soluções para gestão pública) Gove acaba de lançar uma plataforma digital para medir o acesso das 5.570 prefeituras do país a soluções tecnológicas. A participação no Diagnóstico de Transformação Digital Municipal é voluntária, mas

Não perca as notícias de geoinformação