Geoportal mostra terremotos no mundo em tempo real

No início de 2024, o Japão enfrentou um terremoto de magnitude 7,6 em sua costa oeste, destacando a ocorrência frequente desses eventos. Em resposta, pesquisadores da Universidade da Califórnia criaram um mapa interativo que exibe terremotos ao redor do mundo em tempo real.

O mapa apresenta a localização, data, hora e magnitude dos terremotos ocorridos em até uma hora (círculos vermelhos), um dia (roxo) ou uma semana antes (amarelo). Os usuários podem selecionar pontos específicos, ajustar os dados e analisar padrões de atividade sísmica em escalas global, nacional, regional e local.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

A Austrália se move muito rápido, GPS estão com problemas

IBGE lança séries temporais de redes geodésicas 

Mapas curiosos com fatos pouco conhecidos

Além do sismo no Japão, o mapa destaca uma sequência de tremores em Vanuatu, na Oceania, e também menciona terremotos em países vizinhos do Brasil, como Equador e Argentina.

Os pesquisadores enfatizam que o site é uma ferramenta útil tanto para a comunidade acadêmica quanto para o público em geral, fornecendo informações sobre os riscos de terremotos e orientações de segurança. A plataforma também educa os residentes sobre como agir em caso de terremoto para garantir sua segurança.

O texto também explica as causas dos terremotos, relacionando-os ao movimento das placas tectônicas e suas falhas geológicas. Destaca-se que, devido à localização geográfica do Brasil em uma única placa tectônica, o país não registra terremotos de grande magnitude. Os tremores ocorridos, geralmente de baixa magnitude, são pouco perceptíveis e causam danos superficiais, como o terremoto registrado no litoral de São Paulo em junho de 2023.

Veja também

Agro e Ambiental

Finanças geoespaciais: a nova fronteira ESG

Citando os desafios para os analistas com o crescimento da importância dos aspectos ESG nas finanças, a professora do Mestrado Profissional em Gestão para Competitividade da FGV SP, Annelise Vendramini, defende em artigo para o site Noomis que a saída para as instituições financeiras que consideram aspectos socioambientais em suas

Não perca as notícias de geoinformação