GeoSampa traz resultado dos trabalhos selecionados pelo Participe+

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL), apresentou 15 projetos que utilizam o portal GeoSampa, a maior plataforma de dados oficiais sobre a cidade, durante o evento GeoSampa Aberto, realizado na terça-feira (8), na Biblioteca Mário de Andrade, na região central.

Empresários, pesquisadores, professores, estudantes e profissionais de diversos setores conheceram os trabalhos que usam o GeoSampa como fonte de informações.  Há projetos em áreas como saúde, educação, meio ambiente, gestão pública, história e planejamento urbano, esporte e cultura. 

Clique aqui e receba notícias na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Ipaam lançou geoportal para fortalecer licenciamento ambiental no Amazonas

Aracaju se prepara para abrir Geoportal ao público

Amazonas ganha geoportal sobre trabalho e educação

O objetivo do encontro foi integrar cidadãos e administração pública, além de entender como o GeoSampa tem auxiliado no desenvolvimento de projetos, soluções, aplicativos, análises e estudos pela sociedade civil. 

O coordenador de Produção e Análise da Informação (GEOINFO) da SMUL, Silvio Ribeiro, ressaltou a diversidade dos trabalhos inscritos.  “Recebemos a inscrição de 125 trabalhos que utilizam o GeoSampa como fonte de dados. Eles foram elaborados por diversos tipos de públicos e tratam de variados temas. Infelizmente não pudemos apresentar todos, mas agradecemos muito a participação”.

Participe+

Os interessados puderam enviar seus trabalhos à SMUL, por meio da plataforma Participe+, entre 9 de junho e 9 de julho. Dos 125 inscritos, 15 foram selecionados e os autores puderam fazer a apresentação durante o evento.

Para a seleção, a equipe da SMUL considerou dois critérios: interesse público e diversidade. Em outras palavras, foi avaliada a contribuição do projeto para a melhoria da prestação de serviço público e para a solução de problemas enfrentados pelos munícipes na cidade. A variedade de temas e tecnologias empregadas também foi analisada. 

Vale destacar ainda que, antes da exposição dos projetos, representantes do Arquivo Histórico Municipal da Secretaria Municipal da Cultura (SMC) salientaram a relevância do GeoSampa para explicar a origem dos nomes de logradouros da cidade. 

Conheça os trabalhos apresentados: 

1) A importância do ambiente construído em São Paulo para a promoção da atividade física no lazer, da caminhada, do uso da bicicleta e para a prevenção de doenças

Área: Saúde
Autor: Alex Antonio Florindo 

2) Lab de Geografia 
Área: Educação
Autor: Márcio Lellis de Souza 

3) Cumprimento das medidas legais de proteção de Áreas de Preservação Permanente em condições socioeconômicas contrastantes no município de São Paulo
Área: Meio Ambiente
Autor: Autor: Giulia Rodrigues 

4) Mapeando SP – Transformando dados da cidade de SP em informação visual
Área: Uso do Solo
Autor: Roberto Dragão 

5) Dashboard sobre análise de risco de ocorrências em linhas de alta tensão
Área: Gestão Pública
Autor: Carlos Henrique de Moura Silva 

6) Território Piratininga: Mapeamento e Ilustração da Cultura Material Pré-colonial em São Paulo
Área: História Urbana
Autor: Maria A. Frizarin Cipriano 

7) Metamorfose Paulistana: Como os Dados Ilustram Duas Décadas de Desenvolvimento Urbano de São Paulo
Área: Planejamento Urbano
Autor: Tiago Martinelli  

8) SÃO PAULO DE 1840: Usando os dados do GEOSAMPA para analisar a maquete de São Paulo em 1840
Área: História Urbana
Autor: Roberto João Lopes Garcia 

9) Developing and classifying urban biomes as a basis for nature-based solutions
Área: Meio Ambiente
Autor: Augusto Miyahara 

10) Do muro pra lá: O retrato do racismo ambiental em Heliópolis
Área: Planejamento Urbano
Autores: Bruno De Holanda Felippe; Nadyla Eduarda Alves Araújo e Fernanda Muller 

11) Aprendizagem espacial sobre o espaço vivido com o Geosampa para alunos de 11 anos de idade
Área: Educação
Autor: Iara Rosa Bustos 

12) Raio X do Imóvel
Área: Uso do Solo
Autor: Paulo Cesar Breim 

13) Caminhadas e caminhabilidade: como métricas do ambiente construído e as atividades de pedestres estão relacionadas?
Área: Mobilidade Urbana
Autor: Mateus Humberto 

14) Cultura na cidade de São Paulo: entre desertos culturais e iniciativas não institucionais
Área: Cultura
Autor: Lucas Custódio Alexandrino 

15) Playbook: São Silvestre | GeoSampa
Área: Esporte
Autor: Evandro Cruz 

Portal GeoSampa


O Geosampa é um portal coordenado pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL) que segue as diretrizes do Plano Diretor Estratégico (PDE). Ele reúne dados georreferenciados sobre cerca de 400 camadas relevantes à cidade, como zoneamento, rede de transporte público, patrimônio histórico, escolas e parques. Além de informações sobre áreas estratégicas como lotes fiscais, arborização urbana e equipamentos públicos nas áreas de educação, saúde, assistência social, cultura, esportes e lazer. 

Seu conteúdo pode ser livremente acessado, utilizado e compartilhado para qualquer finalidade, bastando que o usuário cite sua fonte. O acesso a esses dados, portanto, fornece subsídios para a participação cidadã e controle de políticas públicas e ainda permite um olhar da Cidade de São Paulo de forma integrada a partir do território. 

Clique para acessar o GeoSampa  Pela Prefeitura de São Paulo

Veja também

Geo e Legislação

Minas Gerais atualiza geoportal de dados

A Fundação João Pinheiro atualizou, na última semana de março, o geoportal da Infraestrutura Estadual de Dados Espaciais (Iede), do governo de Minas Gerais, possibilitando o acesso a informações espaciais produzidas pelos órgãos da administração pública estadual e federal. O geoportal também busca evitar a duplicidade de ações e o desperdício de recursos

Geo e Legislação

MG: Dados sobre relevo são disponibilizados pelo IDE-Sisema

Informações sobre o relevo de Minas Gerais estão disponíveis na plataforma de dados espaciais do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IDE-Sisema), para pesquisas dos cidadãos sobre as características físicas do território mineiro, além de subsidiar as análises ambientais feitas pelo Governo de Minas.  A novidade, publicada na

Não perca as notícias de geoinformação