Goiás desenvolve sistema geoespacial para controle da doença de Chagas

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), desenvolveu um sistema operacional inovador que permite o registro e o monitoramento dos casos da doença de Chagas em todo o Estado. O Sistema de Informação para Controle Vetorial da Doença de Chagas atua em perspectiva geoespacial, método que possibilita a adoção de inúmeras ferramentas de análise de dados. A ferramenta permite que os gestores tenham a dimensão real das notificações da doença de Chagas em Goiás.

O sistema, idealizado e estruturado pela Coordenação de Vigilância e Controle Ambiental de Vetores, que compõe a Gerência de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador da Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa) e desenvolvido pela equipe da Gerência de Tecnologia da Informação da SES, está sendo efetivado, em caráter experimental, nos municípios de Edéia, Aloândia, Simolândia, Alvorada do Norte, Iaciara e Buritinópolis. 

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Google e Johnson lançam plataforma que mapeia a proliferação de mosquitos

Fiocruz, IME e LNCC mapeiam distribuição de espécies animais

Monitoramento ambiental e energético podem ser feitos com geoinformação

A gerente de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador da Suvisa, Edna Covem, informa que esses municípios foram selecionados por terem histórico de execução efetiva de atividades de campo. Ela explica que o sistema, por meio do georreferenciamento, possibilita a identificação do índice de infestação vetorial, do perfil sanitário domiciliar e demais informações cadastrais nos domicílios das zonas urbana e rural. E ainda contribui para a melhoria das informações e, consequentemente, do planejamento e desempenho das atividades de controle vetorial.

Embora seja milenar, a doença de Chagas é uma das doenças negligenciadas com maior carga de morbimortalidade no Brasil, ou seja, apresenta alto índice de pessoas mortas em decorrência de uma doença específica dentro de determinado grupo populacional. As estimativas são que a doença atinja de 6 a 7 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, a estimativa vai de 1,9 milhão a 4,6 milhões e, em Goiás, entre 200 mil e 300 mil pessoas com doença. Calcula-se ainda que 65 milhões de pessoas estejam em risco de contrair a doença, no mundo, e 14 mil mortes ocorram por ano pela doença. 


Fonte: Secretaria de Estado da Saúde – Governo de Goiás

Veja também

Geo e Legislação

Empresas americanas e canadenses vão operar lançamentos a partir de Alcântara

A Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Força Aérea Brasileira (FAB) anunciaram que quatro empresas (três americanas e uma canadense) foram escolhidas para operar lançamentos de veículos espaciais não militares a partir do Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão. As operações devem começar no início do ano que vem. O

Geo e Legislação

Angola vai construir primeiro satélite de observação da Terra

O Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS) e a Airbus Defence and Space assinaram, em Luanda, Angola, um contrato para a construção do primeiro satélite de observação da Terra. As aplicações vão desde soluções para estimar a produtividade agrícola, monitoramento de desflorestação, monitorização de obras de

Não perca as notícias de geoinformação