Governo lança Painel de Fogo para combate a incêndios florestais

Cada ponto laranja ou vermelho é um foco de incêndio – Painel de Fogo (reprodução)

Desenvolvido pelo Censipam (Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia), órgão do Ministério da Defesa, o Painel de Fogo é a mais nova arma do país para combater queimadas em florestas. Apesar de estar funcionando desde agosto, a plataforma, por enquanto disponível apenas na Amazônia Legal e no Pantanal, foi lançada oficialmente na semana passada, durante um evento em Rondônia.

Atualizada a cada seis horas, em média, a ferramenta permite realizar análises e visualizar quase em tempo real informações sobre os incêndios que estão ocorrendo em todo o país. O sistema recebe informações dos mesmos satélites utilizados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Leia também:

O Inpe, inclusive já possui uma ferramenta que monitora incêndios, mas o Painel de Fogo não pretende substituí-la. A principal vantagem da nova plataforma é que ela possibilita analisar os focos de incêndio e planejar estrategicamente como combatê-los, com informações sobre a duração do incêndio em determinada região, sua extensão e intensidade.

Coordenador operacional do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia, o tenente-coronel Tadeu Sanches diz que o Painel de Fogo tem ajudado muito no planejamento de ações contra queimadas, que, antes, só eram comunicadas por denúncias. “Depois que o painel passou a ser empregado, conseguimos melhorar nossa atuação. Estamos muito mais proativos no combate aos incêndios”, diz Sanches, acrescentando que os bombeiros acessam a ferramenta logo no começo do expediente para definir os focos prioritários na região em que atuam, traçando as melhores rotas e partindo para os locais dos incêndios.

Já Henrique Bernini, coordenador de queimadas do Censipam, afirma ser importante selecionar um incêndio específico para atuar, pois há diferentes fogos e poucas pessoas para acompanhar. “Tudo acontece ao mesmo tempo.

Fonte: Poder 360

Veja também

Infra e Cidades

ANP vai carregar dados sobre petróleo e gás na INDE

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou na semana passada sua adesão à Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE). A decisão faz parte do Planejamento Espacial Marinho (PEM), projeto da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM) criado em 2020 como um processo público de

Não perca as notícias de geoinformação