IBGE, Unicamp e UFG desenvolverão Inteligência Artificial aplicada às políticas públicas

O IBGE celebrou um acordo de cooperação técnica com a Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para o desenvolvimento do projeto Inteligência Artificial Aplicada às Políticas Públicas (IAPP). A assinatura do documento aconteceu semana passada na reitoria da Unicamp, em Campinas (SP), com a participação do presidente do IBGE, Marcio Pochmann, do reitor da Unicamp, Antonio Meirelles além da reitora da UFG, Angelita Pereira de Lima, do vice-reitor, Jesiel Carvalho, e do pró-reitor de planejamento da UFG, Vicente Rochade.

A parceria tem o objetivo de desenvolver uma série de ferramentas conversacionais de uso amplo para gestores municipais e estaduais pelo Brasil, para auxiliar na elaboração diagnósticos e programas com uso de Inteligência Artificial (IA). Umas das ferramentas é o ChatPP, para apoiar a realização de pesquisas no campo de políticas públicas.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Presidente do IBGE defende soberania de dados

IBGE atualiza Banco de Dados e Informações Ambientais do Brasil

IBGE divulga relação da população dos municípios

Também será criado o GeraPP, que visa fazer a produção e manutenção de textos e materiais sobre políticas públicas em um repositório específico, alimentado por uma rede de instituições universitárias e de pesquisa capilarizada pelo país. Outro mecanismo a ser criado é o QualificaPP, de qualificação profissional das administrações municipais, estaduais e conselheiros de participação social para acesso e uso das informações para o debate público, formulação e gestão de programas públicos em todo o território nacional.

“Precisamos de um Estado para a era digital. Um Estado mais eficiente, mais capaz. E penso que o que estamos fazendo aqui possa vir a ser um marco na trajetória do país”, afirmou Pochmann. “Esse reconhecimento, de que estamos nesta nova época da era digital, em que o dado é o centro dos negócios, convoca o pensamento nacional, a inteligência nacional, a dar uma resposta contundente, porque, se nós quisermos um país que não seja soberano apenas do ponto de vista econômico e político, mas também do ponto de vista de seus dados, é fundamental que a gente possa caminhar nessa perspectiva, que está aqui, estabelecida neste encontro de vontades”, destaca o presidente do IBGE.

Já o reitor da Unicamp avalia que no atual cenário “a Universidade decidiu abrir-se para uma interação maior com a sociedade, e fazer esse projeto neste momento dá-nos a possibilidade de dirigir o nosso corpo de pesquisadores e professores de modo a fazer isso em larga escala”, afirma Meirelles, acrescentando que a formação de uma rede voltada para a orientação sobre políticas públicas é inovadora e oferece um grande potencial de cooperação entre as instituições, para a prestação de serviços para os municípios.

Para a reitora da UFG, os conceitos de inclusão, de redução das desigualdades, de eficiência, de transparência qualificam as políticas públicas neste projeto: “acredito saque as duas universidades e o IBGE, juntos, temos condições de fazer um trabalho de grande relevância para o país”, concluiu Angelita.

Mais informações à sociedade

“Tem gente muito comprometida na ponta, desenvolvendo uma série de experiências em políticas públicas e que precisam ser conhecidas, documentadas e disponibilizadas para outros gestores” afirma Paulo de Martino Jannuzzi, coordenador-geral da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE (Ence). “Para o IBGE, esse projeto vai permitir disseminar ainda mais as informações e estatísticas que produzimos e disponibilizamos para a sociedade”, completa.

Após a assinatura, houve a primeira reunião do Comitê de Governança do projeto, com as três partes definindo as diretrizes. Os representantes do IBGE e da UFG fizeram, no período da tarde, fizeram uma visita ao Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho (Cenapad-SP) da Unicamp, um local com computadores de altíssimo desempenho que irá desenvolver as tarefas do projeto ao lado do Laboratório Multiusuário de Computação de Alto Desempenho da Universidade Federal de Goiás (LaMCAD/UFG). “Com esse acordo, o IBGE vai poder utilizar toda essa excelente estrutura do Cenapad”, comemora Jannuzzi.

Ao fim do dia, os representantes das instituições fizeram uma apresentação do projeto e realizaram uma mesa de discussão com a equipe técnica e pesquisadores do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (Nepp) da Unicamp para começar a traçar as próximas etapas do projeto.

Por IBGE

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação