INE angolano atualiza cartografia do país para censo de 2024

Numa nota de encerramento da atividade de recolha de dados do censo piloto, que decorreu de 19 de julho a 05 de setembro deste ano, o INE refere que, nas províncias de Luanda, Bengo, Bié, Lunda Norte, Cuando Cubango, Uíge e Cunene, foram recolhidos “dados de casos especiais seguido da recolha aos agregados familiares”.

De acordo com o INE, esta intervenção foi realizada em 410 secções censitárias, correspondendo ao mesmo número de agentes de campo.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Angola vai construir primeiro satélite de observação da Terra
Portugal e Angola reforçam programas de ciberdefesa até 2026
O despertar da África para a geoinformação

“A realização do Censo Piloto permitiu aferir no terreno, em termos de recolha de dados, cerca de 35.549 agregados familiares, de 309 edifícios”, lê-se na nota.

Entre os vários desafios, destaca, foi possível testar, fundamentalmente, as dificuldades relacionadas com a interpretação dos instrumentos de recolha (questionário), manuseio de ‘Tablet’, resistência dos materiais e equipamentos, movimentação dos técnicos nas áreas de difícil acesso, intervenção das autoridades locais e tradicionais na sensibilização da população, e a compreensão do questionário por parte dos indivíduos nos agregados familiares.

“Neste momento, o INE está a levar a cabo a atualização cartográfica em todo país, essa operação permitirá ter uma fotografia mais atualizada da geografia do país e, portanto, definir as áreas a selecionar para a recolha principal. O INE apela à participação e colaboração da população neste importante projeto”, refere o documento.

Angola vai realizar o seu segundo censo depois da independência, em 1975, no próximo ano, dez anos depois do último, em 2014, estando o início do processo marcado para o dia 19 de julho de 2024.

O diretor-geral do INE, José Calengi, disse que o censo vai abranger as 18 províncias, 164 municípios e 562 comunas, distritos, bairros e aldeias, nas áreas urbanas e rurais, com uma duração de 30 dias.

“O Censo está a ser financiado, maioritariamente, pelo Governo de Angola, mas conta com algum apoio financeiro do Banco Mundial e assistência técnica do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP)”, disse José Calengi, recentemente, em entrevista ao Jornal de Angola.

Segundo o diretor-geral do INE, para o censo, o país conta também com assistência técnica de consultoria internacional do Brasil, África do Sul e Portugal e apoio de Cabo Verde.

Por SAPO

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação