ISS mostra o Rio de Janeiro ainda mais brilhante

Rio
Rio de Janeiro
Rio de Janeiro: efeito das novas lâmpadas de LED pode ser notado do espaço – imagem: ISS – NASA

A imagem desta semana foi tirada a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) e mostra as cidades do Rio de Janeiro e da vizinha Niterói, vistas do espaço, à noite. O que chamou a atenção na foto, tirada no último dia 4 de julho, foi a diferença das cores da iluminação das duas cidades – a do Rio muito mais clara que a de Niterói.

A explicação é o novo sistema de iluminação pública carioca, baseado em lâmpadas de LED brancas, e que substituíram as antigas lâmpadas de vapor de sódio, que produzem uma luz mais amarelada. A troca começou no início do ano e a expectativa é que, além de mais luz, gerem uma economia de até 60% nos gastos com energia elétrica.

Leia também:

Mas a comparação com Niterói, que ainda utiliza as lâmpadas a vapor de sódio, não é a única possível. A foto abaixo, também tirada da ISS, é do próprio Rio de Janeiro à noite, mas em janeiro de 2011. A diferença para a foto do início deste mês é evidente.

Rio de Janeiro à noite, em 2011 – imagem: ISS (NASA)

O parque de iluminação pública do Rio está sendo trocado graças ao programa Luz Maravilha, uma parceria público-privada (PPP). Ao todo, são 450 mil pontos de LED para serem instalados e, até agora, 360 mil já foram trocados (80% da meta). A expectativa é que tudo esteja trocado até o fim do ano.

Fonte: Twitter da ISS e G1

Veja também

Geo e Legislação

Mapeamento do mar abre novas fronteiras à economia, tecnologia e biodiversidade

Em entrevista ao Jornal da USP, o professor Michel Michaelovitch de Mahiques, do Departamento de Oceanografia Física, Química e Geológica do Instituto Oceanográfico (IO) da USP, afirma que o mapeamento dos mares brasileiros permitiria que o país explorasse não só os minérios estratégicos no leito do oceano, mas também outros

Infra e Cidades

Gerenciar dados será crucial para o futuro das cidades

Em artigo para o jornal El Español, Marcelo Facchina e Carlos Santiso, diretor e especialista líder em cidades inteligentes do CAF – Banco de Desenvolvimento da América Latina, reconhecem iniciativas importantes de centros como Bogotá, Rio de Janeiro e Recife, mas pontuam que as cidades latino-americanas ainda não aproveitam todo o potencial

Não perca as notícias de geoinformação