Japão planeja lançar satélite de madeira em 2023

Imagem: Universidade de Kyoto (divulgação)

Uma equipe formada por cientistas da Universidade de Kyoto, no Japão, e a empresa japonesa especializada em maddeiras Sumitomo Forestry está trabalhando para lançar ao espaço, já no ano que vem, o primeiro satélite do mundo feito parcialmente de madeira. Em formato de cubo e com lados de 10 cm, o nanossatélite terá seu exterior feito de madeira e placas eletrovoltaicas. Como as ondas eletromagnéticas penetram na madeira, a antena poderá ser instalada no interior do equipamento.

A partir de fevereiro, os técnicos devem começar a testar a durabilidade da madeira no espaço, usando um aparato experimental extraveicular na Estação Espacial Internacional. A ideia da equipe de testes liderada pelo astronauta Takao Doi, da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, é prender no dispositivo placas de madeira com dureza variada, de espécies de árvores diferentes. Essas placas ficarão expostas no espaço sideral por cerca de nove meses para verificar sua deterioração.

Leia também:

A madeira queima ao reentrar na atmosfera terrestre, o que gerará menos impacto ambiental quando o satélite sair de operação e começar a cair. Além das vantagens para o meio ambiente, a madeira também é uma matéria-prima mais barata que o alumínio, atualmente empregado na fabricação de satélites.

Primeiro astronauta japonês a participar de atividades extraveiculares durante a missão do ônibus espacial Columbia, em 1997, Doi acredita que, se tudo der certo, a nova forma de construção vai “permitir que até mesmo crianças interessadas no espaço façam um satélite”.

Fonte: Japan Times

Veja também

Artigo: Desastres naturais tendem a aumentar e geotecnologias salvarão vidas

Vitor Zanetti* Atualmente, diversos municípios brasileiros estão em estado de emergência causada por fenômenos naturais. Estiagem, secas e chuvas intensas são as causas principais, e sua distribuição geográfica – estiagem no Norte, seca no Nordeste e chuvas intensas no Sul – corroboram o que a nota técnica Nº 366/2023/SEI-CEMADEN emitida

Não perca as notícias de geoinformação