Juiz aceita dados de geolocalização como prova de horas extras

O artigo 22 do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) estabelece que a parte interessada em um processo poderá, com o propósito de formar prova em processo judicial cível ou penal, em caráter incidental ou autônomo, requerer ao juiz que ordene o fornecimento de registros de acesso a aplicações de internet. 

Esse foi o fundamento adotado pelo juiz Jailson Duarte, da 1ª Vara do Trabalho de Cachoeiro do Itapemirim (ES), para ordenar que uma empresa forneça dados de geolocalização para comprovar se um empregado trabalhou horas extras. 

Clique aqui e receba notícias na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Cresce quebra de sigilo de geolocalização em ações trabalhistas

Para TST, GPS serve como prova em ação trabalhista de motorista de carreta

TRT de SC desenvolve ferramenta de geolocalização

O juiz lembrou que a legislação admite todos os meios de prova moralmente legítimos sem a existência de qualquer hierarquia entre as provas. Também apontou que a produção de provas digitais não inviabiliza a colheita de depoimentos como meio adicional ao conjunto probatório.

“Com efeito, o pedido de horas extraordinárias geralmente tem como ponto relevante o local em que estava uma determinada pessoa e a geolocalização pode oferecer esse substrato de forma objetiva em detrimento da grande subjetividade da tentativa de reconstituição dos fatos a partir da memória testemunhal”, registrou na decisão. 

Diante disso, o juiz determinou que a reclamada forneça número de telefone, provedor de conexão e endereços das contas do Instagram e do Facebook. Também limitou o período de colheita de dados de 26 de setembro de 2017 a 26 de setembro 2022 e que os dados deveriam se limitar à geolocalização da parte e não ao seu conteúdo postados nas redes. 

Inicialmente o requerimento foi impugnado pela parte adversa, sob a argumentação de que existem outros meios de prova das horas extras e que o procedimento feriria a intimidade e a privacidade. O escritório Chalfin Goldberg Vainboim, sustentou, em defesa da empresa, que a legislação admite todos os meios de prova moralmente legítimos e que a geolocalização referentes apenas às coordenadas geográficas da empresa, não viola a intimidade nem a LGPD.

“A prova digital é uma posição nova do judiciário para pleitos de horas extras e não inviabiliza a colheita dos meios tradicionais de prova oral, constituindo-se em meio adicional que pode conferir nortes seguros até́ mesmo para avaliação da qualidade das outras provas” afirma o advogado, Luciano Mariano que liderou a equipe de defesa da empresa reclamada.

As provas digitais irão permanecer sob sigilo no processo, sendo vedado o compartilhamento extraprocessual, salvo mediante nova determinação da Justiça

Clique aqui para ler a decisão – Processo 0000925-26.2022.5.17.0131

Matéria de Conjur, reportagem de Rafa Santos

Veja também

Geo e Legislação

Falha expõe dados confidenciais de clientes públicos e privados do ArcGIS

Reportagem exclusiva publicada nesta terça-feira (19) pela revista digital The Hack, que aborda temas ligados a hacking, segurança da informação e tecnologia, revela uma falha grave descoberta por três geógrafos e que pode expôr dados dos clientes do ArcGIS, mais utilizado ecossistema de software, servidor e sistema on-line de gerenciamento

Geo e Legislação

Edmilson Volpi: Como a Rand McNally tornou-se a maior produtora de mapas dos EUA

Quando William H. Rand chegou a Chicago proveniente da Califórnia, em 1856, após a Guerra Civil dos Estados Unidos, seu objetivo era fornecer relatórios anuais, folhetos e bilhetes para a indústria ferroviária. Dois anos depois, para ajudar o negócio que só crescia, ele contratou o jovem tipógrafo recém-chegado da Irlanda

Não perca as notícias de geoinformação