Mapeamento através dos tempos: a história da cartografia

mapeamento
Mapeamento: de cabeça para baixo, a Tabula Rogeriana, do séc. XII, mostra Europa, parte da África e Ásia como constumamos ver (domínio público)

Edmilson Volpi*

O fascínio e interesse pelo mapeamento do mundo que habitamos é inerente à natureza humana desde os tempos pré-históricos, como revela este artigo da editora do site GISLounge, Caitlin Dempsey. Ela lembra que algumas das pinturas rupestres e outras representações em ossos e artefatos, antes consideradas meras representações artísticas, passaram a ser, segundo as últimas pesquisas, mapas de áreas de caça, riachos, rotas e até cartas das estrelas.

O registro da rota mais antiga que temos evidências é uma pintura de parede de quase 3 metros encontrada em 1963 na Anatólia (Turquia). Datada de 6100-6300 a.C., ela mostra plano de uma cidade com edifícios e um vulcão. Também são conhecidas as primeiras representações de mapas e estradas feitas em papiro pelos antigos egípcios, mas, devido à curta vida desse tipo de material, poucas evidências chegaram até nossos dias.

Às vezes, os mapas se tornam mais famosos que seus criadores. Muitos cartógrafos só se tornam célebres depois de terem criado uma obra-prima. Outros, após criarem obras igualmente famosas para a realeza, nobreza ou exploradores conhecidos de seu tempo. Outros ainda fizeram um mapa importante e desapareceram da história para sempre.

Leia também:

Ao longo da história, existem alguns mapas particularmente notáveis. Aqui mostraremos cronologicamente os primeiros mapas, que desempenharam um papel significativo na história da cartografia.

Mapeamento e cartografia antiga

Foi a civilização grega que ajudou a desenvolver enormemente a compreensão da cartografia como uma ciência importante para a sociedade em geral. Ptolomeu, Heródoto, Anaximandro, Eratóstenes, todos tiveram uma tremenda influência nas ciências da terra do Ocidente, incluindo a geografia. Eles realizaram um estudo profundo do tamanho e da forma da terra e suas áreas habitáveis, zonas climáticas e posições dos países. Anaximandro, por exemplo, foi o primeiro a desenhar um mapa do mundo conhecido, enquanto Pitágoras de Samos especulou sobre a noção de uma terra esférica com um fogo central em seu núcleo.

Quando os geógrafos da era grega começaram a estimar cientificamente a circunferência da Terra, um grande impulso foi dado à ciência cartográfica. Eratóstenes, já no século III a.C., contribuiu muito para a história do conhecimento geográfico com sua Geographia e o mapa-múndi que a acompanhava. Infelizmente só temos referências indiretas a esta obra através de outros autores como Estrabão, de Elea, cuja obra é muito mais conhecida em nosso tempo.

Império Romano e Cartografia

Durante a época romana, os cartógrafos se concentravam em usos práticos: necessidades militares e administrativas. A necessidade de controlar o Império nos aspectos financeiro, econômico, político e militar tornou evidente a necessidade de se ter o mapeamento das fronteiras administrativas, características físicas ou redes viárias. Os mapas romanos restringiam-se mais ou menos à área compreendida pelo que chamavam de Mare Nostrum, pois este era o núcleo do Império Romano e em torno do qual se distribuíam todas as regiões administrativas.

Os anos 100

O mapa de Ptolomeu é notável por seu provável papel na expansão romana. Ptolomeu escreveu sua Geographia por volta do ano 150 d.C., e se refere a um sistema de latitude e longitude, além de um meio para descrever locais na Terra com base em observações astronômicas dessas áreas. Os mapas originais de Ptolomeu nunca foram encontrados, presumivelmente foram perdidos ao longo dos anos, mas seu trabalho era descritivo o suficiente para que os cartógrafos pudessem recriar suas observações em 1300 d.C. e criar o mapa de Ptolomeu. A ideia de Ptolomeu de usar um sistema de latitude e longitude teve um impacto significativo no trabalho de cartógrafos posteriores.

Mapeamento: mapa do mundo por Ptolomeu de 150 d.C. (redesenhado no século XV) – imagem: Wikimedia Commons (domínio público).

Cartografia na Idade Média

Durante os tempos da idade-média, os estudiosos muçulmanos continuaram e avançaram nas tradições cartográficas de culturas anteriores, principalmente seguindo os métodos de Ptolomeu; mas eles também começaram a usar o conhecimento, notas e escritos dos exploradores e mercadores durante suas viagens pelo mundo muçulmano. Houve avanços na definição mais precisa das unidades de medida, além de grandes esforços na tentativa de descrever e definir os cálculos da circunferência da Terra. Houve também numerosos estudos e metodologias para traçar um sistema de meridianos e paralelos que muito ajudaram na evolução da ciência da Cartografia, como as criadas por Ibn Batutta ou Al-Idrisi.

Os anos 1100

A Tabula Rogeriana de Al Idrisi, não é apenas um mapa do mundo – é um texto geográfico amplamente pesquisado que cobre características naturais, grupos étnicos e culturais, características socioeconômicas e outras características de cada área que ele mapeou. Este trabalho foi criado para o Rei Roger II da Sicília. Al Idrisi baseou-se em suas próprias e extensas viagens, entrevistas com exploradores e desenhistas pagos para viajar e mapear suas rotas para criar os mapas na Tabula Rogeriana. Esse mapeamento descreve o mundo como uma esfera e o divide em setenta seções retangulares diferentes, cada uma das quais é discutida em detalhes exatos no restante da Tabula.

Na sua posição original, à primeira vista, o Tabula Rogeriana pode causar estranheza, mas basta virá-lo de cabeça para baixo (imagem do alto da página) para se reconhecer os traços a que estamos acostumados, com a perspectiva do Norte em cima e o Sul embaixo.

Mapeamento: Tabula Rogeriana, 1154 – imagem: Wikimedia Commons (domínio público)

Os anos 1300

“Mappa mundi” é um termo genérico para os mapas medievais europeus do mundo. O Mappa Mundi de Hereford é notável por ser o maior mapeamento medieval ainda existente, bem como um dos mais elaborados e coloridos. A ilustração do mapa em si é circular, com Jerusalém colocada no centro do mapa, o jardim do Éden em um anel de fogo próximo ao topo do mapa, e tudo orientado com o leste para cima. Uma característica estranha do mapa de Hereford é que a Europa é rotulada erroneamente como África e vice-versa. Embora o mapa seja circular, os especialistas não acreditam que seja uma evidência de que o cartógrafo acreditava em uma Terra plana. Em vez disso, o Mappa Mundi de Hereford é amplamente considerado como um tipo de projeção, com as regiões inabitáveis ao norte e ao sul suprimidas.

Mapeamento: Mappa Mundi de Hareford, cerca de 1300 – imagem: Wikimedia Commons

Os anos 1400

O mapa de Fra Mauro foi criado por um monge por volta de 1450 d.C. e é considerado uma das melhores peças de cartografia medieval existentes. Trata-se de um grande mapa redondo, com cerca de dois metros de diâmetro, pintado em pergaminho e esticado em uma moldura de madeira. O mapa em si retrata o mundo conhecido na época – Europa, Ásia e África. Uma característica interessante do mapa de Fra Mauro é que ele é orientado com o sul no topo, ao contrário da peça de Ptolomeu, outro mapa histórico bem conhecido. Fra Mauro escolheu essa orientação porque sentiu que o mapeamento de Ptolomeu não era mais preciso, tendo sido criado com base em informações coletadas muito antes de grande parte do mundo ter sido completamente explorada.

Mapeamento: mapa do mundo de Fra Mauro – imagem: Wikimedia Commons

Cartografia durante o início do período moderno

Somada ao grande impulso no desenvolvimento de diferentes métodos de levantamento topográfico e novos instrumentos de medição ocorridos principalmente durante o século XVI, a técnica de impressão foi responsável pela ascensão dos cartógrafos como pessoas influentes nos países mais poderosos do mundo. A expansão comercial, a colonização de novas partes do mundo e a busca pela superioridade militar sobre outros países trouxeram a percepção da necessidade de um mapeamento preciso para controlar o máximo possível o mundo, dando grande ênfase à cartografia de áreas costeiras e as novas regiões interiores descobertas durante esses tempos. O marinheiro e cartógrafo espanhol Juan de la Cosa, por exemplo, criou as primeiras representações cartográficas das Américas, além de outros mapas da África e da Eurásia, e muitos outros seguiram e até aprimoraram seu trabalho cartográfico.

Mas o grande avanço da ciência cartográfica veio em 1569, com a publicação dos primeiros mapas de Mercator. Suas técnicas de mapeamento foram aprimoradas mais tarde, em 1570, quando Abraham Ortelius publicou seu Theatrum Orbis Terrarum, que, pela primeira vez, incluía mapas baseados nas melhores informações puramente contemporâneas disponíveis.

Os anos 1500

O Mapa de Mercator, de Gerardus Mercator é notável por ser a primeira tentativa de fazer uma terra redonda parecer “correta” em uma superfície plana. O problema inerente à representação de uma forma esférica em uma superfície plana é que as coisas tendem a ficar distorcidas. Linhas de latitude e longitude, úteis para navegar em um globo, tornam-se distorcidas e inúteis em um mapa plano. Mercator procurou dar conta isso mantendo as linhas retas e distorcendo o tamanho dos objetos mais próximos dos polos. O resultado foi a projeção de Mercator, uma ferramenta inestimável para a navegação. Como a projeção de Mercator permitia linhas retas, chamadas de loxodrômicas, era muito mais fácil para os navegadores dos navios traçarem um curso, apesar da distorção.

Mapeamento: Mapa do Mundo de Mercator, 1569 – Wikimedia Commons

Os anos 1600

O Mapa de Ricci, de 1602 (também conhecido como a Impossível Tulipa Negra), foi elaborado pelo padre jesuíta Matteo Ricci, e é o mais antigo mapa sobrevivente em chinês a mostrar as Américas e com a China no centro do mundo.

Mapeamento: Mapa de Ricci, 1602 – imagem: Royal Academy

Período Moderno e Cartografia

Após a Revolução Industrial, os negócios e o comércio aumentaram enormemente em todo o mundo. A era pós-revolução industrial também trouxe a ascensão de uma classe média que começou a poder pagar luxos como livros e viagens. As viagens a lazer tornaram-se um grande interesse, enquanto as viagens a negócios eram um assunto de grande importância para os comerciantes. Geógrafos e cartógrafos tiveram que responder a essa crescente demanda e, portanto, outro impulso foi dado à cartografia e aos profissionais cartógrafos.

Grandes mapas de folhas decoradas, quase artísticos, tão populares durante séculos anteriores, deram lugar a mapas menores, mais práticos e portáteis, que davam mais importância à precisão dos elementos representados do que ao significado decorativo.

Mais tarde, durante o século XIX, as ferrovias se expandiram rapidamente pelo mundo, tornado as viagens mais rápidas, mais baratas e mais acessíveis a um número cada vez maior de pessoas. Os cartógrafos colocam mais energia e esforço na produção de mapas atualizados, mostrando as últimas extensões da rede ferroviária. Durante este tempo, os mapas normalmente eliminaram as demais características decorativas e se tornaram quase inteiramente factuais.

Os mapas geralmente se tornaram famosos por serem particularmente bonitos, revolucionários ou historicamente significativos. Embora trabalhos como o Mapa de Ptolomeu sejam praticamente inúteis para navegar ou localizar qualquer coisa, eles fornecem um olhar valiosos sobre o que os cartógrafos, exploradores e geógrafos da época entenderam sobre o mundo ao seu redor. Alguns, como o Mapa de Mercator, ainda hoje têm valor quando se trata de criar diferentes projeções de mapas para diferentes propósitos.

Cartografia moderna. A era da tecnologia

A cartografia moderna encontrou uma ferramenta essencial no uso de computadores. À medida que a tecnologia melhora, a cartografia e as ferramentas relacionadas a ela também melhoram. As novas gerações de cartógrafos e usuários de mapas estão bem instruídas no uso de computadores e dos instrumentos periféricos com os quais estamos tão familiarizados, como plotters, impressoras, scanners, além de softwares de processamento de imagens, análise espacial e banco de dados.

O GIS (Sistema de Informação Geográfica) se tornou global e os analistas e especialista no assunto surgiram como os novos gurus da ciência cartográficas. Quase tudo pode ser estudado agora do ponto de vista geográfico. Além disso, algumas tecnologias antes restritas a uso militar, como GPS ou Sensoriamento Remoto, somadas à globalização dos dados, com o uso da internet, serviços de mapeamento web, novos aplicativos de software, contribuíram muito para o uso do GIS e da Cartografia para cada vez mais e mais aplicações, todos os dias.

Leia o artigo original em GISLounge e a tradução no Curiosidades Cartográficas.

* Edmilson M. Volpi é engenheiro Cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook Instagram

Veja também

Geo e Legislação

Imagem da Semana: volta ao mundo em 90 min na SpaceX

A imagem desta semana é da cápsula Dragon, da missão Inspiration4, da SpaceX, a primeira no mundo a levar uma tripulação totalmente civil a participar em um voo de turismo espacial. É também a que conduziu seres humanos à maior distância da Terra, depois das missões Apollo, que levaram o

Geo e Legislação

Geopolítica: Para Eurasia, a Ucrânia será dividida

Amanhã haverá o segundo aniversário da invasão russa na Ucrânia. Para Ian Bremmer, presidente da consultoria de risco Eurasia Group, principal consultoria de risco do mundo, o futuro da Ucrânia e seu território podem estar diante de uma mudança significativa. Em uma mesa-redonda durante a Conferência de Segurança de Munique

Não perca as notícias de geoinformação