Mapeamento do mar abre novas fronteiras à economia, tecnologia e biodiversidade

Imagem: A Owen – Pixabay

Em entrevista ao Jornal da USP, o professor Michel Michaelovitch de Mahiques, do Departamento de Oceanografia Física, Química e Geológica do Instituto Oceanográfico (IO) da USP, afirma que o mapeamento dos mares brasileiros permitiria que o país explorasse não só os minérios estratégicos no leito do oceano, mas também outros avanços em tecnologia e biodiversidade: “Na USP, temos um programa de mapeamento financiado pela Fapesp e a Shell que descobriu feições de fundo na frente de São Sebastião, muito perto da costa, em grande profundidade. Encontramos carbonatos muito ricos do ponto de vista da biodiversidade.” 

Leia mais aqui.

Post Author: Geocracia