Meta, Microsoft e Amazon avançam em mapeamento de código aberto

A Meta, a Microsoft e a Amazon, junto com a empresa de mapas TomTom, lançaram uma iniciativa para enfrentar o Google Maps e o Apple Maps. As quatro empresas formaram a Overture Maps Foundation no ano passado com o objetivo de criar produtos de mapas interoperáveis – e agora, o grupo lançou seu primeiro conjunto de dados de mapas abertos.

Com esses dados, os desenvolvedores de terceiros podem criar seus próprios produtos de navegação ou mapeamento global, permitindo que eles enfrentem o Google Maps e o Apple Maps. De acordo com a Overture, o lançamento inclui mais de 59 milhões de locais de interesse, juntamente com dados sobre edifícios, redes de transporte e limites administrativos.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia também:

Thierry Jean: “Cartografia colaborativa é mais barata, mais precisa e mais flexível”

Censos no continente são oportunidade para liberar endereços, defende AddressForAll

Raquel Dezidério: “Mapas colaborativos são a Cartografia 2.0. Vamos mapear!”

A Overture diz que as camadas de dados foram formatadas para que os desenvolvedores possam “ingerir e usar dados de mapas de uma forma padrão e documentada, e serão interoperáveis”. Os desenvolvedores podem então usar essas informações para criar um aplicativo de mapeamento ou qualquer serviço que dependa de navegação. O conjunto de dados está disponível no site da Overture.

“O conjunto de dados Places, em particular, representa um importante conjunto de dados abertos, anteriormente indisponível, com o potencial de mapear tudo, desde novas empresas grandes e pequenas até mercados de rua pop-up localizados em qualquer lugar do mundo”, disse Marc Prioleau, diretor executivo da Overture, em um comunicado. “A Overture planeja criar uma ampla colaboração que possa construir e manter um banco de dados atualizado e abrangente de POIs [locais de interesse].”

Formada no ano passado, a Overture Maps Foundation pode ameaçar os tronos do Google e da Apple no que diz respeito a mapeamento. Ter os dados prontamente disponíveis poderia tornar mais fácil – e muito mais barato – para os desenvolvedores criarem aplicativos. No momento, os desenvolvedores precisam pagar para acessar a API do Google Maps, enquanto a Apple também cobra dos desenvolvedores que estão criando aplicativos não nativos.

Com informações de The Verge e Techenet

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação