Mulher com imagem geolocalizada sem autorização será indenizada

A 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou empresa de tecnologia a indenizar, por danos morais, uma mulher que teve a imagem publicada em ferramenta de visualização de mapas. Em duas ocasiões, a autora tentou contato com a empresa responsável para a retirada da foto, sem sucesso. Apenas após tutela antecipada a plataforma desfocou a imagem. O valor da reparação foi fixado em R$ 15 mil.

Em seu voto, o desembargador Enio Zuliani, relator do recurso, destacou não ser razoável a conduta da empresa de imputar ao usuário a obrigação de fiscalizar tais ferramentas e apontou que houve violação de direitos. “O certo é que a imagem retrato da autora surgiu quando se busca a localização do imóvel em que ela trabalha e isso representa ofensa a direito de personalidade. Ela não consentiu; pelo contrário, exigiu que fossem tomadas medidas para que a imagem desaparecesse ou impedisse a identificação”, ressaltou.

Clique aqui e receba notícias na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Quebra do sigilo da geolocalização do trabalhador deve ser previamente aceita

Cresce quebra de sigilo de geolocalização em ações trabalhistas

Para TST, GPS serve como prova em ação trabalhista de motorista de carreta

O magistrado definiu o valor de R$ 15 mil como quantia adequada para amenizar os efeitos da publicação não autorizada. “O recorrido, nesse caso, embora atue de forma a contribuir para localizar endereços e facilitar a vida de quem busca acesso a locais, não está imunizado a ponto de receber anistia por permitir que as suas reproduções saíssem com imagem que possibilitou reconhecer e identificar a autora”, concluiu.

Completaram a turma julgadora os desembargadores Marcia Dalla Déa Barone e Carlos Castilho Aguiar França. A decisão foi unânime.

Por Comunicação Social TJSP

Veja também

Plataforma e-Caves mapeia cavernas brasileiras de forma colaborativa

Desenvolvida com a intenção de democratizar o acesso às informações sobre cavernas turísticas e suas localizações, a iniciativa também busca estimular a participação ativa da população na coleta de dados para pesquisa científica. A equipe responsável pelo projeto, conhecido como e-Caves, planeja lançar um aplicativo que facilitará o envio de

Não perca as notícias de geoinformação