NASA bate recorde de transferência de dados a Terra

O sistema TeraByte Infrared Delivery (TBIRD) da NASA é um pequeno satélite, com o tamanho de duas caixas de cereais unidas, que bateu um recorde de transmissão de dados a partir do espaço para a Terra. O sistema de comunicações baseado em laser transmitiu dados a partir da órbita da Terra a uma velocidade de 200 Gbps por segundo, através de um sistema ótico, registando assim um máximo com esta tecnologia.

A NASA explica que para alcançar esta velocidade, que foi um passo grande no futuro das comunicações espaciais, foi utilizado o sistema de comunicações por laser. O sistema é capaz de compactar a informação nas oscilações das ondas de luz do laser, em vez de utilizar as tradicionais ondas de rádio utilizadas na maioria dos sistemas de comunicações no espaço.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Fábio Alencar: “Este é um momento fantástico para investir no espaço”

Carlos Moura: “Espaço é nova fronteira de negócios da Humanidade”

Corrida espacial: Quantos países tem agências espaciais?

O recorde alcançado pelo CubeSat TBIRD não só ultrapassou o registo anterior, como duplicou a sua velocidade, dos 100 Gbps alcançados pela mesma equipa em junho de 2022. Para ter uma ideia, esta ligação permite enviar do espaço para a Terra múltiplos terabytes de dados de teste durante uma única passagem de seis minutos pela estação no solo. E 1 TB de dados equivale a cerca de 500 horas de vídeo em alta definição.

O teste bem-sucedido promete mudar a forma como funcionam as comunicações no espaço, salientou a gestora da missão TBIRD, Beth Keer. “Imagine-se a capacidade dos instrumentos científicos espaciais quando estes forem desenhados para tirarem total vantagem dos avanços dedicados às velocidades, elevando o que a IA pode fazer com esta quantidade enorme de dados”, salienta a especialista. Afirma ainda que as comunicações por laser são o elo perdido que vai permitir novas descobertas científicas no futuro.

A agência espacial pretende assim mudar o paradigma das comunicações convencionais via radio, sobretudo quando se encontra a ultimar os preparativos para o regresso do Homem à Lua, e respetiva presença prolongada, assim como os avanços de futuras missões a Marte.

De Sapo

Veja também

Geo e Legislação

O georreferenciamento da segregação religiosa

Em artigo para o site Jota, o presidente da Comissão Especial de Geodireito da OAB/SP, advogado e geógrafo Luiz Ugeda, e a advogada, mestra e doutoranda em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Paula Gomes de Magalhães abordam o uso da recente metodologia geojurídica para identificar a segregação

Não perca as notícias de geoinformação