OCTA lança Observatório Regional com dados dos oito países amazônicos

Dashborad ORA: reprodução

Seguindo uma diretriz do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA) firmado entre os oito países da região (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela), a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) lançou na semana passada o Observatório Regional Amazônico (ORA). Trata-se de um centro de referência de informações e dados sobre a Amazônia gerados e disponibilizados pelos oito países-membros em temas como Biodiversidade, Espécies Listadas na Convenção CITES, Florestas, Recursos Hídricos e Povos Indígenas.

Por enquanto, estão disponíveis e completos os módulos Biodiversidade e CITES. Os dados dos módulos Recursos Hídricos e Florestas encontram-se em processo de validação e, em 2022, será iniciado o desenvolvimento do módulo Povos Indígenas.

Leia também:

O objetivo do ORA é facilitar o fluxo e o intercâmbio de informações entre instituições, autoridades governamentais, comunidade científica, academia e a sociedade civil dos países amazônicos. A plataforma apresenta dados por meio de relatórios, painéis dinâmicos e visores geográficos e estará em permanente evolução seguindo as necessidades dos países e as indicações da Agenda Estratégica Cooperação Amazônica (AECA).

Alexandra Moreira, secretária-gera da OCTA, diz que o Observatório Regional é um desejo dos países desde a concepção do Tratado de Cooperação Amazônica: “Em 1978, os Países Membros entenderam a urgência e a necessidade de uma gestão sustentável dos recursos naturais desta região e que a forma de trabalhar era por meio do monitoramento e o controle das espécies da flora e da fauna silvestres, o intercâmbio de informações, boas práticas, o estabelecimento de sistemas de gestão conjunta e cooperação nos diversos níveis governamentais, acadêmicos, científicos e da sociedade em geral”.

Fonte: OCTA

Veja também

Infra e Cidades

Infra Data: A importância da regulação da infraestrutura de dados espaciais

Durante evento luso-brasileiro realizado este mês pela Universidade do Rio de Janeiro (Uerj), especialistas dos dois países reafirmaram a importância das Infraestruturas de base de dados como um componente da própria infraestrutura nacional. Participando da mesa redonda Modelos de Governança da Informação Geográfica sobre os Territórios Nacionais, inserida na 10ª

Não perca as notícias de geoinformação