OTAN busca baixar custos com aquisição de imagens de satélites comerciais

A OTAN está buscando soluções para lidar com a necessidade crescente de inteligência, vigilância e reconhecimento, e os acordos com fornecedores comerciais de imagens de satélite estão se mostrando uma resposta promissora. Paul Bowman, que lidera a célula ISR (Intelligence, Surveillance and Reconnaissance) dos Sistemas de Coleta e Exploração de Informações de Batalha da OTAN, ressaltou em 22 de maio, durante o Simpósio GEOINT em St. Louis, a importância das imagens de satélite comercial para preencher a lacuna deixada pela coleta insuficiente de recursos aéreos convencionais.

No entanto, a OTAN enfrenta desafios, como o alto custo das imagens de satélite comercial e das soluções de análise, que são ainda mais dispendiosas. Bowman expressou otimismo de que os preços possam diminuir à medida que o número de fornecedores e provedores de análises de satélite aumente, tornando essas tecnologias mais acessíveis.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

OTAN lança o maior programa de dados espaciais de sua história

Marinha lança plataforma de dados geoespaciais oceânicos

Amazônia Azul: dados geoespaciais vão subsidiar turismo marítimo

Para superar as questões de licenciamento, a OTAN busca estabelecer acordos de colaboração entre seus membros para compartilhar dados de satélite de forma segura e eficiente. Durante exercícios militares anteriores, a OTAN enfrentou dificuldades com diferentes acordos de licença de usuário final entre os fornecedores de imagens de satélite. A organização espera que ocorra uma convergência nesses acordos, facilitando o uso dos dados em um ambiente de coalizão.

Em termos técnicos, a OTAN considera que padronizar os dados coletados é essencial para facilitar o compartilhamento. Durante um exercício futuro da OTAN, envolvendo 18 nações, espera-se uma colaboração intensa na coleta, processamento e análise de dados. Para garantir um compartilhamento eficaz, é necessário que os dados sigam padrões amplamente aceitos.

A OTAN lançou recentemente a iniciativa Vigilância Persistente da Aliança a partir do Espaço (APSS), que busca estabelecer uma constelação virtual chamada Aquila, utilizando ativos espaciais de países aliados para agilizar a coleta, compartilhamento e análise de dados. A organização reconhece a importância da persistência e da coleta de dados, mas destaca a necessidade de que esses dados sejam tecnicamente compartilháveis.

Essas medidas da OTAN refletem a importância cada vez maior das imagens de satélite comercial e do uso de tecnologias de análise para fins de inteligência, vigilância e reconhecimento. A aliança busca superar desafios financeiros, técnicos e de colaboração para obter acesso contínuo a esses recursos valiosos, que desempenham um papel fundamental na segurança e tomada de decisões da organização.

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação