Pesquisador georreferencia eleições presidenciais da Colômbia

Colômbia

O pesquisador e engenheiro de visualização da informação colombiano John Alexis Guerra acaba de publicar o georreferenciamento da base de dados dos votos das eleições presidenciais da Colômbia, realizadas no último dia 19 de junho e vencidas pelo candidato de esquerda Gustavo Petro.

Guerra georreferenciou os votos do primeiro e segundo turnos das eleições colombianas, em um trabalho que guarda muita semelhança com o Geografia do Voto, parceria entre a Agência Geocracia e o Estadão e que transforma em geoinformação a base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com as votações em todo o país desde 1996.

Leia também:

O estudo de Guerra compara as votações de todos os 1.188 municípios do país atribuindo cores aos candidatos e gradações de cor aos percentuais de votação. Gustavo Petro, primeiro presidente de esquerda do país, aparece em vermelho, enquanto seu adversário no segundo turno, o empresário Rodolfo Hernández, em azul. Em amarelo, Frederico Gutiérrez, que não passou para o segundo turno.

Retângulos com os mais de mil municípios da Colômbia

Na primeira parte da pesquisa, ele analisa os resultados para os municípios colombianos, sem avaliar suas populações, e agrupa-os em retângulos interativos (abaixo), que mostram os resultados de cada linha vertical (cidade) quando se passa o cursor do mouse sobre ela. Os retângulos comparam as votações do primeiro e do segundo turno, evidenciando a migração de votos de Gutiérrez para os dois finalistas e até algumas inversões, com municípios que trocaram de vermelho para azul, de um turno para outro, e vice versa.

Na segunda parte, Guerra georreferencia o resultado das votações e atribui o peso eleitoral aos votos, mantendo as gradações de intensidade de cor conforme a força da votação no candidato (mapas abaixo e do alto da página). Com essa geoinformação, é possível entender a vitória de Petro, explicada pelas conquistas em grandes centros urbanos como Bogotá, Cali e as cidades da costa caribenha, ao norte.

Confira aqui o estudo de John Guerra.

Veja também

Geo e Legislação

Imagem da Semana: usando luz para sondar o fundo do mar das Bermudas

Conseguir precisão em mapas de águas rasas costeiras sempre foi um desafio, pois o fundo do mar nessas regiões se altera o tempo todo. Até recentemente, a única maneira era se valer de barcos com sonar, mas em 2020, a Nasa financiou estudos para usar imagens de satélite combinadas com

Agro e Ambiental

Funai avança na gestão territorial

Entre janeiro e março de 2021, a Funai já conseguiu analisar 135 processos de reconhecimento de limites de terras indígenas. Mesmo com o cenário adverso imposto pela pandemia, o montante de processos avaliados é 10% maior e o tempo de resposta 21% menor em relação ao mesmo período de 2020,

Não perca as notícias de geoinformação