Petrópolis, antes e depois da tragédia

Petrópolis antes e depois da tragédia
Imagem: MapBiomas com Planet/SCCON, do satélite Skysat

A imagem desta semana é a chocante comparação das áreas afetadas pelas fortes chuvas que atingiram Petropolis (RJ), na passada terça-feira (15). Análise das imagens de satélite e a comparação do antes e depois foi realizada pelo MapBiomas, rede dedicada ao monitoramento ambiental, usando dados do Planet/SCCON, do satélite Skysat.

“O que mais impressiona nas imagens é a abrangência do evento. Em geral vemos uma queda de morro, um evento específico. Nesse caso, vemos que se espalhou por várias regiões”, afirma o coordenador do MapBiomas, engenheiro florestal Tasso Azevedo.

Leia também:

O temporal desta semana foi um dos mais fortes de toda a história de Petrópolis, uma região naturalmente exposta a esses fenômenos. A intensidade da chuva chegou a 200 mm por hora, muito mais que os 88 mm por hora registrados em 2011, quando mais de 900 pessoas morreram em toda a região Serrana do Rio. O recorde de quantidade de chuva ainda continua sendo de 2011, com 282 mm, mas em oito horas de chuva. Esta semana, foram 221 mm em apenas quatro horas.

Até agora, mais de 120 corpos já foram encontrados nos 170 pontos de deslizamentos estimados pela Defesa Civil por toda a cidade.

Fonte: G1 e Agência Brasil

Veja também

Infra e Cidades

Smart Sampa: cidade realizará reconhecimento facial com 20 mil câmeras

Depois de uma intensa disputa judicial, a cidade de São Paulo realizou pregão para contratar o que tem sido denominado projeto Smart Sampa, que tem como objetivo integrar mais de 20 mil câmeras até 2024 para fazer reconhecimento facial por meio do sensoriamento remoto da cidade. A seleção da empresa

Geo e Legislação

Governo responde Gilmar Mendes: R$ 2 bi para Censo 2022 é valor ‘expressivo’

Atendendo uma convocação do Ministro Gilmar Mendes, que havia dado cinco dias para que o governo Federal explicasse o orçamento do Censo 2022, a Advocacia Geral da União (AGU) respondeu nesta segunda-feira (20) que o montante reservado para a pesquisa (R$ 2 bilhões) “é expressivo” e que, além dele, há

Não perca as notícias de geoinformação