Em plataforma interativa, IBGE atualiza ‘Quadro Geográfico’

quadro geográfico
Quadro Geográfico de Referência para Produção, Análise e Disseminiação de Estatísticas pode ser consultado na PGI (IBGE: reprodução)

O IBGE atualizou nesta quarta-feira (27) o Quadro Geográfico de Referência para Produção, Análise e Disseminação de Estatísticas, que reúne fichas técnicas e mapas temáticos de recortes territoriais legais e institucionais do país. Trata-se da segunda edição da publicação, que teve sua primeira versão em 2019.

O trabalho foi inserido na Plataforma Geográfica Interativa (PGI), que permite “consultar as informações na forma de mapas interativos, adicionando outras camadas de interesse, baixando os recortes e consultando os seus metadados”, conforme explica a gerente de Integração da Produção de Geoinformação do IBGE, Aline Lopes Coelho,

“O objetivo principal do Quadro Geográfico é fornecer aos usuários um referencial espacial coerente para acesso, visualização, análise e compreensão das estatísticas oficiais do Brasil, de forma comparável e espacialmente integrada”, explica o geógrafo do IBGE, Mauricio Gonçalves e Silva.

Leia também:

O produto é composto por dois grandes grupos. Nos recortes territoriais legais, estão incluídas a divisão político-administrativa (Grande Região, Estado, Distrito Federal, Município, Distrito, Subdistrito e Bairro), a divisão regional (Recorte Metropolitano, Categoria Metropolitana, Subcategoria Metropolitana, Aglomeração Urbana, Amazônia Legal, Área de Atuação da Sudene, Semiárido, MATOPIBA, Municípios Costeiros, Municípios Defrontantes com o Mar e Municípios da Faixa de Fronteira) e as tipologias geográficas (Área Urbana, Área Rural e Terra Indígena).

Já os recortes territoriais institucionais do IBGE são divididos em:

  • unidades de coleta e divulgação de pesquisa – Setor Censitário, Área de Ponderação, Área de Divulgação da Amostra para Aglomerado Subnormal, Grades de Referência Estatística, Face e Endereço;
  • tipologias geográficas – Área Urbana de Alta Densidade de Edificações, Área Urbana de Baixa Densidade de Edificações, Área Rural (exclusive Aglomerados), Núcleo Urbano, Aglomerado Subnormal, Aglomerado Rural, Aldeia Indígena, Agrovila do Projeto de Assentamento, Demais Tipo de Setores Censitários, Arranjo Populacional, Concentração Urbana e Hierarquia Urbana;
  • divisão regional – Região Geográfica, Mesorregião e Microrregião Geográficas, Divisão Urbano-Regional e Região Rural, e
  • recorte específico – Bioma.

Para cada recorte do Quadro Geográfico são apresentadas informações como o ciclo de atualização e a última versão da legislação/definição, o quantitativo de unidades e dos municípios relacionados, a publicação/legislação de referência e a data da próxima divulgação.

O Quadro Geográfico também permite recuperar versões anteriores de alguns recortes, o que ajuda a compreender seis processos de evolução.

Fonte: Agência de Notícias IBGE

Veja também

Entrevistas e Artigos

Alejandro Román: “Guaranisat-1 é 1º passo do Paraguai no espaço”

Em março deste ano, o Paraguai lançou seu primeiro satélite, o Guaranisat-1, com o objetivo de levar ao país os benefícios da indústria aeroespacial, como redução de risco de desastres, agricultura, gestão de terras, recursos naturais e clima. O Portal Geocracia falou com o diretor Geral de Execução e Desenvolvimento

Não perca as notícias de geoinformação