Por que Greenwich está 102 metros fora do lugar?

Greenwich
Linha de Greenwich – imagem: Randi Hausken (Flickr)

Edmilson Volpi*

Se você já foi a Greenwich, em Londres, e resolveu tirar aquela foto típica de turista, como esta aí em cima, sobre a linha do Meridiano 0o, voltado para Norte, com um pé no hemisfério Ocidental e outro no Oriental, saiba que você esteve o tempo todo com os dois pés no Oeste. Para realmente fazer uma foto assim, você precisaria andar uns 102 metros para a direita, em meio a uma trilha mal identificada no Greenwich Park e parado perto de uma lata de lixo.

Essa foi a conclusão a que chegaram cientistas do Observatório Naval americano e da Agência Nacional de Inteligência Geoespacial dos EUA, após checarem os dados das modernas ferramentas tecnológicas de posicionamento, como o GPS, muito mais precisas que a tecnologia disponível em 1851, quando Greenwich foi estabelecido.

Anos antes, em 1884, uma votação entre 25 nações ocorrida em Washington, decidira pela demarcação de Greenwich como o ponto zero de longitude universalmente reconhecido para permitir a navegação global precisa, a padronização de mapas e o estabelecimento dos fusos horários. Portugal (meridiano de Coimbra), Espanha (meridiano de Cádiz) e França (meridiano de Paris) disputavam a primazia do marco zero, mas falou mais alto a influência da Inglaterra, maior potência da época.

Leia também:

Para definir a linha exata da longitude 0o, astrônomos do Observatório de Greenwich, que funcionava desde 1676, apontaram seu telescópio para a chamada “estrela do relógio”. O que eles não sabiam é que, devido a distorções gravitacionais locais provocadas pela forma do terreno naquele ponto e pelo formato da própria Terra, o telescópio que eles usaram não estava exatamente perpendicular ao solo. E esse pequeno erro foi o responsável pela demarcação da linha 102 metros para Oeste.

“Com os avanços da tecnologia, a mudança no meridiano principal era inevitável”, diz Ken Seidelmann, astrônomo da Universidade da Virgínia e coautor do estudo, publicado no Journal of Geodesy, em 2015. “Talvez um novo marcador deva ser instalado no Greenwich Park para o novo meridiano principal”, sugere o cientista.

Mas, mesmo com essa pequena discrepância no terreno, hoje, todo o sistema de navegação global é muito mais preciso, desde que, em 1984, o sistema GPS foi implantado globalmente. Feitas do espaço por satélites, as medições não são afetadas por esses ínfimos 102 metros de má pontaria.

Leia aqui a matéria em inglês no Independent, e aqui a tradução para o português no Curiosidades Cartográficas .

*Edmilson M. Volpi é engenheiro Cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook Instagram

Veja também

Agro e Ambiental

MapBiomas faz na Indonésia sua primeira iniciativa fora da América do Sul

A Indonésia é o primeiro país fora da América do Sul a utilizar a metodologia de rede colaborativa do MapBiomas. Lançado no mês passado e desenvolvido por técnicos brasileiros e indonésios, o MapBiomas Indonésia já está mapeando a cobertura do uso da terra naquele país asiático. Analistas indonésios foram treinados

Não perca as notícias de geoinformação