Cidades inteligentes: desnecessário big data quando o favorecimento governa

Na primeira parte de uma longa entrevista, Michelle L. Oren, urbanista e pesquisadora visitante do Technion – Instituto de Tecnologia de Israel, atualmente baseada na Califórnia, EUA, com ampla experiência em métodos computacionais para produzir cidades inclusivas e sustentáveis, faz uma análise 360 graus sobre as cidades inteligentes, suas virtudes e limitações, principalmente as políticas e sociais. Ela mosa como a Covid-19 teve um papel central na aceleração tecnológica das cidades e trata das metodologias utilizadas para avaliar se uma cidade é realmente inteligente.

Confira abaixo, com exclusividade ao portal Geocracia, os principais pontos desta detalhada exposição.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

ChatGPT: Não é possível ter cidades inteligentes sem geoinformação

Cidades inteligentes: “geoinformação é requisito fundamental”

Comissão aprova Marco Regulatório de implantação das cidades inteligentes

Há muita conversa sobre cidades usando Big Data e Inteligência Artificial. Por que uma cidade precisa gerenciar seus dados? Isso significa ser uma “cidade inteligente”?

No século XXI, esperamos que todas as cidades participem da revolução informática, fornecendo uma excelente interface de usuário e uma resposta instantânea e ininterrupta às solicitações de habitantes e visitantes. Dados agregados podem levar a capacidades maravilhosas de previsão, permitindo que as cidades antecipem melhor os eventos e respondam pontualmente a uma crescente variedade de ameaças como consequência de altas densidades populacionais, falta de gestão de crescimento, riscos econômicos e ambientais, incluindo alterações relacionadas ao clima.

Infelizmente, não é assim, por muitas razões, a maioria das cidades está muito atrasada. A “conversa” sobre cidades usando Big Data e Inteligência Artificial não reflete as práticas generalizadas que são lamentavelmente sombrias. As municipalidades, como entidades responsáveis pela gestão pública nas cidades, ainda têm um longo caminho pela frente, o que também abre um leque de oportunidades tecnológicas na ampla gama de serviços oferecidos pela cidade e enfatiza a importância de construir parcerias multi-setoriais.

As cidades prestam serviços a grandes comunidades de indivíduos (“usuários”). A municipalidade de São Paulo, por exemplo, atende cerca de 12,4 milhões de habitantes, com a Grande São Paulo (metrô) com 22,4 milhões de pessoas e cerca de 570.000 funcionários públicos. Brasília atende 2,7 milhões de habitantes e, segundo relatos de 2018, havia cerca de 133 mil trabalhadores no Governo do Distrito Federal, além de 121.000 trabalhadores na administração pública federal. Se comparados em escala a grandes empresas prestadoras de serviços como a Vivo, controlada pela Telefônica Brasil S.A., a maior empresa de telecomunicações do país, gerenciando 96 milhões de assinaturas de telefones celulares (três vezes a população de Tóquio) contando com 33 mil funcionários diretos, 101 mil aliados, é difícil compreender hoje como qualquer grande provedor de serviços pode operar sem capacidades de computação e gerenciamento sistemático de dados. Note que, se esses números estiverem corretos, a relação de funcionários (operador) por habitante (usuário) também é muito maior no setor municipal – que tem sido notoriamente rotulado como ineficiente. Isso não é novidade, o setor público é motivado pela política, pelo poder – “o que e para quem”, em vez da lucratividade.

A tradição de criar empregos seguros para os habitantes locais como provedores de serviços públicos é vista como um dever governamental popular. Algumas municipalidades dão prioridade à contratação de habitantes locais em detrimento de estrangeiros excepcionalmente qualificados, porque a identidade social é importante em círculos políticos. Isso também tem um custo para o progresso tecnológico, porque não há necessidade de big data em uma cidade governada pelo favoritismo e pela intuição.

A maioria das municipalidades ainda age como arenas políticas e está longe de se tornar um ímã de talentos atrativo. Há alguns anos, propus ao chefe do programa Global MBA Big Data na Universidade Reichman para executar seu projeto de estágio de graduação em municipalidades, impactando o setor público. Ela deixou claro que, para os alunos que têm a oportunidade de estagiar em grandes empresas de tecnologia multinacionais, como Facebook, Amazon ou Google, as municipalidades simplesmente não são atraentes o suficiente como um trampolim profissional, apesar das extraordinárias complexidades de dados que a tornam um projeto de pesquisa de dados muito merecedor e justificado.

Essas corporações multinacionais são campeãs de big data e IA, uma estufa para jovens profissionais. Envie esses alunos para uma municipalidade, eles não saberiam por onde começar, a precariedade é tão profunda que eles teriam que começar digitalizando formulários, construindo e limpando conjuntos de dados. Infelizmente, a maioria das municipalidades do mundo ainda usa arquivos físicos – caneta, papel, papel carbono, se você se lembra do que é. Algumas municipalidades não têm computadores, gerenciam uma variedade de serviços usando um livro de registro escrito à mão e um registro físico, se não completamente, pelo menos parcialmente. A divisão digital é real, e a maioria das cidades e municípios está lutando através de um processo de adaptação muito lento.

De acordo com uma publicação do Fórum Urbano Mundial, existem mais de 10.000 cidades no mundo; a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mapeou mais de meio milhão de jurisdições subnacionais no mundo; outras fontes estimam que existam mais de 4 milhões de assentamentos humanos no mundo. Portanto, é importante lembrar que apenas um pequeno número de cidades é rotulado como “cidades inteligentes” e está liderando a experimentação de tecnologia urbana. A maior parte dessa revolução ainda está por vir. Uma análise das classificações de cidades inteligentes revelará a avaliação de 118 e até 193 cidades, enquanto a maioria das classificações se concentra nas 30 cidades mais progressistas. Não importa como se olhe para isso, essas cidades indexadas representam não mais do que 2% globalmente.

A Covid-19 mudou algo nesta trajetória?

Atualmente, após a pandemia Covid-19, que acelerou a introdução de tecnologias em lares remotos, é inconcebível que grandes provedores de serviços, gerenciando fundos públicos significativos e potencialmente dados, fiquem para trás. Isso também é uma questão de transparência, participação pública, eficiência, acessibilidade e, até certo ponto, despolitização do governo local, atraindo gerentes habilidosos orientados por dados para a prefeitura e aceitando menos empregos profissionais melhor remunerados.

A maioria das municipalidades do mundo não tem um diretor de TI interno. A falta de profissionais habilidosos internos, com todo o respeito às personalidades políticas que governam as cidades, teve consequências dramáticas na introdução de tecnologias avançadas para a gestão e operação da cidade, levando a uma longa sequência de projetos fracassados, contratos vinculantes e cativantes, gastos desnecessários e até pequenos problemas de conectividade decorrentes de deficiências maiores na infraestrutura.

O conceito de ‘cidade inteligente’ é relativamente novo, as iniciativas de cidades inteligentes surgiram de forma audaciosa no início dos anos 2000. Empresas como Cisco, IBM, Microsoft, Siemens e outras empresas multinacionais de tecnologia elogiavam o potencial da tecnologia para transformar cidades em ambientes altamente eficientes e tecnologicamente avançados. Primeiro surgiram os softwares de CRM, depois sistemas operacionais que fornecem melhor gerenciamento de infraestrutura e uma meta para reduzir custos operacionais por meio de sistemas de precisão de resíduos (coleta de lixo) e eletricidade (iluminação, temperatura).

Existe um consenso de que a indústria de cidades inteligentes nasceu no setor privado esperando impulsionar o setor público com inovação e melhorar a satisfação geral do usuário/cidadão. Todos nós queremos viver em uma cidade que ‘funciona’, com ruas limpas, jardins bem cuidados, cidadãos bem-educados e obedientes, eventos culturais personalizados, mobilidade fluida, transações impecáveis. Como a marca da cidade de Helsinque, uma cidade que é em si um serviço.

Muitos prefeitos também se apaixonaram pela fantasia da ‘cidade impulsionada pela tecnologia’. Em 2010, o prefeito do Rio foi à IBM em busca de sua experiência na criação de uma rede de sensores para mitigar o papel dos deslizamentos de terra nas favelas da encosta. Este projeto recebeu significativa atenção da mídia global, especialmente quando evoluiu para um centro de operações centralizado do século 21 ligado a streaming de vídeo com mais de 400 câmeras para detecção e prevenção de crimes, administração integrada de serviços de emergência e uma infinidade de outros serviços inteligentes integrados.

Então, se você perguntar, por que cidades inteligentes, por que aqui, por que agora? As justificativas oscilam entre o tamanho sem precedentes das cidades e os riscos representados pelo gerenciamento perigoso do crescimento urbano, ambos altamente dependentes da inovação e de soluções tecnológicas. Por um lado, a emergência da urbanização como uma megatendência global entrelaçada com os desafios existenciais que o mundo enfrentou nos últimos 50 anos na construção de resiliência econômica, social e ambiental, incluindo estruturas de governança e institucionais apropriadas; e, por outro lado, a inovação e a tecnologia estão desempenhando um papel cada vez mais central no planejamento para futuros urbanos, surgindo de avanços rápidos no desenvolvimento tecnológico, no ritmo da urbanização e na escala dos desafios urbanos que requerem respostas sistêmicas.

E é possível identificar como e com qual velocidade a demanda por cidades inteligentes têm aumentado?

De acordo com o relatório World Cities 2022 da UN-Habitat, há um rápido crescimento na demanda por tecnologia de cidades inteligentes, estimada em aumentar anualmente em 25%, com um valor de mercado geral de aproximadamente US$517 bilhões baseado em avanços rápidos em tecnologias digitais e conectadas e sua ubiquidade na vida cotidiana. Incluindo a tecnologia (IoT) Internet das Coisas, com mais de 20% de crescimento anual previsto para os próximos anos; a tecnologia blockchain em mais de 30% nos próximos anos; e as tecnologias de Inteligência Artificial (IA) cada vez mais implantadas pelos governos municipais na forma de agentes virtuais como chatbots.

À medida que as cidades se tornam orientadas para a tecnologia, o uso da tecnologia no nível do governo local para capacitar pessoas em situações vulneráveis é de extrema importância – mitigando a divisão digital de gênero, permitindo que pessoas com deficiência, incluindo idosos, participem dos processos de design de políticas públicas, envolvendo os pobres urbanos, populações indígenas, setor informal e comunidades mal atendidas, equipando-os com a necessária literacia digital e acesso para que ninguém seja deixado para trás.

No contexto da cidade inteligente 4.0, as municipalidades são o melhor nível de governo para vincular a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável global com as comunidades locais. A responsabilidade foi propositadamente delegada ao nível do governo local, devido à sua presença física na jurisdição local, seus papéis substanciais e potencial inovador na prestação de serviços públicos, desenvolvimento econômico, investimentos em infraestrutura, representação de cidadãos e implementação de medidas de reação de emergência como respondentes de primeira linha no gerenciamento de respostas a crises. Esses elementos não são apenas distintivos do governo local, mas muitas vezes servem como indicadores de sua eficácia.

No entanto, o governo local não age sozinho, ele age dentro de um ambiente político onde os interessados sociais, públicos, privados, locais e não locais buscam preservar ou promover seus interesses. Em uma cidade, a governança local implica uma ampla variedade de atores envolvidos na elaboração e implementação de políticas públicas, incluindo cidadãos, grupos de interesse, organizações não governamentais, indústria, academia, setores híbridos e públicos, alguns modelos incluem o próprio meio ambiente como ator. Coletivamente, eles impactam a atividade do governo local, que é visível através das decisões do governo local, em que a inclusão de pessoas em situações vulneráveis e o avanço da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável são centrais.

Claro, além da tecnologia, a inovação urbana inclui inovação social e organizacional, que reconhece a importante contribuição de organizações cívicas e grupos comunitários para o desenvolvimento urbano, bem como os benefícios de um governo local mais aberto e colaborativo.

As cidades líderes nos diversos índices de cidades inteligentes dependem muito da metodologia de classificação utilizada?

Sim. O índice de cidades inteligentes liderado pela Universidade de Tecnologia e Design de Singapura (Observatório de Cidades Inteligentes), por exemplo, pré-classifica as cidades em quartis de acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países e, posteriormente, usa percepções coletadas (120 habitantes em cada cidade) para classificar e ranquear as cidades dentro de cada quartil. Essa metodologia permite comparar cidades em estágios de desenvolvimento semelhantes e avaliar feedbacks para atingir o objetivo final das Cidades Inteligentes: satisfação do cliente. Usando este método, as cidades com as pontuações mais altas (2021) de 118 cidades classificadas foram Singapura (1º), Zurique (2º), Oslo (3º), Cidade de Taipei (4º) (IDH 0,926), Lausanne (5º), Helsinki (6º), Copenhagen (7º), Genebra (8º), Auckland (9º) e Bilbao (10º). São Paulo (117º) e Rio de Janeiro (118º) tiveram as pontuações mais baixas. Usando este sistema, uma cidade em um país com baixo IDH nunca alcançará as pontuações mais altas.

Uma instituição diferente, o Departamento das Nações Unidas para Assuntos Econômicos e Sociais (UN DESA) propôs o Índice de Serviços Locais Online (LOSI) para avaliar 86 indicadores de governo digital local relacionados a cinco critérios: estrutura institucional (8), fornecimento de conteúdo (25), fornecimento de serviços (18), participação e engajamento (17) e tecnologia (18). Eles avaliaram os 146 portais da web da cidade mais acessíveis.

O grupo com pontuação mais alta (26% das cidades pesquisadas) cumpriu, em média, 75% dos indicadores. As principais cidades foram: Berlim (1ª), Tallinn (2ª), Madrid (3ª), Copenhague (4ª), Dubai (5ª), Moscou (6ª), Nova York (7ª), Paris (8ª), Cingapura (9ª) e Xangai (10ª). Surpreendentemente, eles também tiveram duas descobertas que quebraram estereótipos: a) Alguns portais de web das cidades tiveram pontuações muito mais altas do que seus portais de governo nacional (por exemplo, Berlim, Bogotá, Moscou, Bruxelas); b) Focando em cidades dentro de países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), eles não encontraram relação entre o produto interno bruto (PIB) per capita dos países e os valores do LOSI.

Em outras palavras, a riqueza de um país não é uma variável explicativa para a qualidade do governo digital local. Sabemos, com base em estudos de inovação local, que os três fatores determinantes para o sucesso de projetos de cidades inteligentes são: 1) ambição política local (mandatos eleitorais, pressão de políticos, mudanças de liderança); 2) demanda pública local (os cidadãos exigem serviços públicos melhores e mais baratos, incluindo empresas e terceiro setor); e 3) recursos escassos (reduções orçamentárias, restrições econômicas ou falta de fontes de financiamento que levam à priorização desses projetos, “a necessidade é a mãe da invenção”).

Especificamente em termos de integração de análise de Big Data e AI na gestão da cidade (tomada de decisão e operação diária), os números ainda são muito pequenos (o UN DESA encontrou 33 municípios em sua pesquisa LOSI de 2022). Os propósitos incluem: apoiar a tomada de decisões informadas em áreas como turismo, saúde, anticorrupção e melhoria da qualidade de vida dos moradores; utilizar dados para criar modelos preditivos para fortalecer a segurança (por exemplo, otimizando a colocação de câmeras de cidade para combater o crime); gerenciamento de enchentes (rastreamento dos níveis de água); A priorização de políticas de vacinação; planejamento urbano e projeções (utilizando dados sobre população, domicílios, status socioeconômico e outros fatores para prever e atender às necessidades dos moradores da cidade); personalização na prestação de serviços (avaliando as necessidades dos residentes por meio da consolidação de dados, identificando gargalos e barreiras operacionais na prestação de serviços aos residentes e melhorando a satisfação dos mesmos); transporte público (identificando rotas ótimas de ônibus, colocação de detectores de IA e videovigilância para o tráfego); e política fiscal (utilizando análise de dados e IA para determinar as taxas de imposto ideais para estimular o desenvolvimento econômico).

Veja também

Entrevistas e Artigos

Sales Carvalho: Se não temos regularização fundiária, não temos segurança jurídica

A Regularização Fundiária no Brasil, tema antes restrito aos círculos jurídicos e territoriais, representa hoje um dos maiores desafios para profissionais do direito imobiliário bem como dos engenheiros, urbanistas e ambientalistas. Falar de Regularização Fundiária é tratar do ordenamento territorial e o desenvolvimento social, temas que por sua natureza já

Não perca as notícias de geoinformação