Rastreamento por GPS salva vítima de acidente no Paraná

Imagem: Cottonbro – Pexels

O rastreamento por GPS salvou um homem acidentado próximo ao distrito de Warta, no norte do Paraná, semana passada. A vítima, que não teve seu nome revelado, havia saído de casa para comprar um remédio, acabou saindo da pista e capotou sua pickup num barranco, em um local não visível a partir da estrada.

O carro possuía um sistema de rastreamento por GPS ligado ao celular da esposa do motorista, que estranhou o fato de o automóvel estar parado no mesmo lugar há mais de meia hora. Sem conseguir sair do veículo nem acionar o socorro, o homem acabou ficando dentro do carro por quase uma hora.

Após o alerta da mulher, os bombeiros chegaram até o local e conseguiram resgatar a vítima, que foi levada ao hospital com ferimentos leves.

Leia também:

Há cerca de um mês, um outro caso foi resolvido graças a um rastreador de GPS, dessa vez em Rondonópolis, no Mato Grosso. Um motorista de carreta virou refém de ladrões de carga e ficou sob a mira de um revólver em uma área rural. O veículo, porém, usava um rastreador instalado pela empresa e, assim que saiu da rota, a polícia foi automaticamente acionada.

Quando os policiais chegaram no local onde o caminhão se encontrava, os bandidos fugiram, e o motorista foi encontrado são e salvo em uma estrada próxima.

Fonte: Ricmais e Brasil do Trecho

Veja também

Geo e Legislação

Edmilson Volpi: Expedições espanholas no Mar do Sul, a conquista do Pacífico

Quando, em 1513, o estremenho Vasco Núñez de Balboa atravessou o istmo do Panamá e se tornou o primeiro europeu a contemplar a imensidão do Oceano Pacífico, estava abrindo uma nova dimensão para a tarefa exploratória espanhola no século XVI. A busca pela mítica ‘Terra Austral’, o imenso continente antártico

Geo e Legislação

5G: TCU não vê motivos para indenizar operadoras de satélite por perda na banda C

Parecer da SeinfraCOM (Secretaria de Infraestrutura Hídrica, de Comunicações e de Mineração) do Tribunal de Contas da União (TCU) considerou o tribunal incompetente para tratar do pleito das operadoras de satélite, que querem uma indenização por terem de abandonar as frequências da banda C estendida (faixa de 3,625 GHz a

Não perca as notícias de geoinformação