Reflexões sobre Arte e Cartografia

Arte e cartografia
Arte e cartografia: Inglaterra e mar báltico no Atlas Miller (1519) – imagem: Biblioteca Nacional Francesa

Edmilson Volpi*

Em reportagem especial para o site Geografia Infinita Gonzalo Prieto trata da eterna relação, por vezes idílica, entre Arte e Cartografia, fruto de uma conversa com a doutora em História da Arte pela Universidade Complutense de Madrid, Sandra Sáenz-López.

Para Sáenx-López, que foi curadora das exposições “Marginalia in cARTography“ no Chazen Museum of Art’ de Madison (EUA) e “Cartografías de lo desconocido. Mapas en la BNE“ e concentrou a maior parte de suas pesquisas em mapas feitos da Idade Média e do início da Idade Moderna, ao longo da história, a elaboração de mapas, hoje um estudo científico, não era separada daquilo que hoje consideramos como disciplinas humanísticas, como a arte. Como ela explica, a divisão entre ciência e arte é moderna e “por trás de um cartógrafo está muitas vezes o que consideramos hoje um pintor”.

Este é o caso de Cresques Abraham, autor malorquino de cartas náuticas do século XIV, conhecido por ser o responsável pela Bíblia Frahi, a Bíblia Hebraica de maior valor artístico. Artistas como Hans Holbein, o Jovem ou Albrecht Dürer, também fizeram mapas, como os mapas do céu (abaixo, o céu do hemisfério sul).

Arte e cartografia: Céu setentrional, por Albrecht Dürer (domínio público).

Portanto, para Sáenz-López,“sim, a cartografia deve ser considerada parte da disciplina artística e, ainda hoje, fazer mapas, ou a maioria deles, ainda é uma arte se levarmos em conta o cuidado estético que muitos deles mantêm”.

Leia também:

“Um mapa é essencialmente uma imagem, uma pintura”. Tecnicamente, você precisa das mesmas habilidades e recursos pictóricos. Ao longo da história, muitos mapas foram de responsabilidade de pintores ou artistas. E vice-versa: “os cartógrafos fizeram obras que hoje, sem nenhum problema, consideramos arte. Os mapas também devem ser incluídos na categoria de arte ou obra artística”, afirma Sáenz-López.

Idade Média, a referência

Perguntada sobre qual seria um período particularmente prolífico para a cartografia em seu lado mais artístico, ela é clara: a Idade Média. “Temos pouco da cartografia da Antiguidade, por isso é difícil julgar os mapas da época anterior”. Feita com os mesmos materiais e procedimentos ou técnicas das obras artísticas contemporâneas, principalmente pinturas, a cartografia daquele período pode ser considerada arte. “E os cartógrafos também são artistas”, explica.

Detalhe do Atlas Miller – Biblioteca nacional Francesa.

Depois da Idade Média, a arte e cartografia continuaram se relacionando. Mas, com o a chegada do Renascimento, “começamos a ver uma certa especialização e colaboração entre cartógrafos – responsáveis pelos próprios mapas – e artistas – pelos motivos iconográficos”. Exemplo disso é o mapa no alto da página, integrante do Atlas Miller português. António de Holanda trabalhou em Lisboa fazendo o repertório artístico dessa obra, considerado um dos mais belos atlas portugueses, com os cartógrafos Lopo Homem e Pedro e Jorge Reinel.

Apesar de, a partir da Idade Moderna, começar a ocorrer uma separação entre o elemento artístico e o científico, ou propriamente cartográfico, Saénz-López considera que a arte continua presente nos mapas. Na sua opinião, “esse distanciamento não veio com a digitalização”.

Leia aqui o artigo original em espanhol, e aqui, a tradução no Curiosidades Cartográficas.

Edmilson M. Volpi é engenheiro cartógrafo e editor da página Curiosidades Cartográficas no Facebook Instagram

Veja também

Geo e Legislação

Brasil e África do Sul aderem à iniciativa global sobre tecnologia geoespacial

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, e o Atlantic International Research Centre vão fornecer apoio ao desenvolvimento de capacidades para ajudar Brasil e África do Sul a alavancar a ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento urbano sustentável. Segundo a Unctad, as tecnologias espaciais podem revolucionar

Geo e Legislação

Anatel vai passar coletar dados de operadoras de satélites

A partir de 2022, as operadoras de satélites nacionais e estrangeiras com direitos de exploração vigentes no Brasil serão obrigadas a entregar à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informações técnico-operacionais e dados econômico-financeiros. Os repasses serão feitos em dois momentos no calendário: no período março/abril e em junho. Segundo a

Não perca as notícias de geoinformação