RS: Mapeamento da Pró-Sinos destacada após passagem de ciclone

A Plataforma de Monitoramento Espacial do Consórcio Pró-Sinos desempenhou um papel importante na elaboração de ações para minimizar os transtornos causados pelas chuvas associadas ao ciclone extratropical que atingiu o Rio Grande do Sul na última semana. A ferramenta fornece informações sobre a quantidade de precipitações e o escoamento das águas nos principais cursos d’água que drenam a bacia do Rio dos Sinos.

Segundo o diretor técnico do Consórcio, Hener de Souza Nunes Jr., os dados coletados na plataforma permitem acompanhar a evolução dos fenômenos climáticos e suas consequências. “Ao conhecer a precipitação em Alto Rolante, Caraá ou Três Coroas, por exemplo, é possível ter uma ideia antecipada de como será a cheia do Rio dos Sinos na região metropolitana, possibilitando o planejamento de ações para enfrentar e mitigar danos”, explica.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Plataforma ImagineRio incluirá mapas do século 20 e dados temáticos

Plataforma online mapeará obras paradas em estados e municípios

Mato Grosso pretende unificar plataformas para agilizar validação do CAR

Essas informações também contribuirão para estabelecer padrões de comportamento, correlacionando as precipitações com as áreas afetadas por inundações, enxurradas ou escorregamentos de solo nas encostas.

A plataforma disponibiliza aos usuários dados quantitativos em tempo real, obtidos diretamente das estações de medição da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), que medem parâmetros como altura da lâmina d’água, vazão e precipitação pluviométrica. Essas informações são transmitidas por uma rede telemétrica para bancos de dados, que são transformados em números e gráficos de fácil interpretação.

Na Bacia do Rio dos Sinos, a ANA possui uma estação de monitoramento no Rio Rolante (Alto Rolante), uma no Arroio Caraá (Caraá), uma na foz do Rio Paranhana (Taquara) e duas no próprio Rio dos Sinos (Campo Bom e São Leopoldo). O CEMADEN também possui duas estações no Rio Paranhana (Três Coroas e Igrejinha), uma no Arroio Luiz Rau (Novo Hamburgo) e uma no Arroio José Joaquim (Sapucaia do Sul).

O monitoramento realizado foi crucial para executar ações que envolveram diversas famílias, especialmente na região do Vale dos Sinos. O diretor do Consórcio ressalta a importância dos gestores públicos continuarem utilizando essa plataforma, destacando que os preparativos para resgates foram iniciados na sexta-feira com base nas informações fornecidas pela ferramenta.

Para aprimorar ainda mais as ações, o diretor pretende agregar dados de outros órgãos à plataforma, como Corsan, Comusa e Semae, pois essas informações contribuirão para o trabalho conjunto na elaboração de futuras ações para o bem comum de toda a região banhada pela bacia do Rio dos Sinos.

Com informações de Correio do Povo

Veja também

Geo e Legislação

OTAN lança o maior programa de dados espaciais de sua história

Dezesseis aliados da OTAN, que incluem Bélgica, Bulgária, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Luxemburgo, Noruega, Polônia, Reino Unido, Romênia e Turquia, juntamente com os convidados Finlândia e Suécia, lançaram uma nova iniciativa que transformará a forma como a OTAN reúne e utiliza os dados espaciais, melhorará

Agro e Ambiental

Drones já substituem satélites para mapear árvores e desmatamento no Brasil

Como os aparelhos são equipados com GPS, é possível fazer uma programação prévia de voo e geolocalizar cada árvore fotografada. A vantagem dos drones é poder fazer a tarefa dos satélites voando próximo à copa das árvores. No futuro, espera-se que também realizem o trabalho humano, percorrendo o interior das

Não perca as notícias de geoinformação