São José dos Campos sediará maior evento global de estudos espaciais

estudos espaciais em São José dos Campos
São José dos Campos será palco do maior evento mundial de estudos espaciais – foto: Parque Tecnológico de SJC (Prefeitura SJC)

O Space Studies Program 2023 (SSP23), maior evento de estudos espaciais do mundo, será realizado em São José dos Campos, entre 26 de junho a 25 de agosto do ano que vem. O anúncio do local da 35ª edição do encontro foi feito na semana passada pelo presidente da International Space University (ISU), Pascale Ehrenfreund, durante o SSP22, que está acontecendo desde o dia 26 de junho, na cidade de Oeiras, vizinha a Lisboa, em Portugal.

Será a primeira vez que o programa será realizado no Brasil e a terceira no Hemisfério Sul. Na América Latina, apenas a cidade de Valparaíso, no Chile, sediou uma edição do SSP, em 2000. Durante 9 semanas, São José dos Campos será a capital mundial dos estudos relacionados ao espaço, recebendo 300 pessoas de 50 países diferentes, entre professores, estudantes, astronautas e líderes mundiais de agências espaciais.

Os estudos acadêmicos serão realizados no INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), que submeteram conjuntamente com a Prefeitura da cidade a proposta para sediar o SSP 2023. “As parcerias com INPE e ITA fortalecerão ainda mais os laços da ISU com a América do Sul”, afirmou Ehrenfreund. O evento conta ainda com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e da AEB (Agência Espacial Brasileira).

Leia também:

Além do propósito acadêmico, o SSP representa uma vitrine internacional, com instituições e empresas que atuam na área espacial mostrando suas capacidades, fazendo relacionamento e firmando acordos comerciais e de cooperação internacional.

Durante mais de dois meses, passarão por São José dos Campos astronautas e personalidades ilustres do setor que participarão de eventos abertos ao público em geral – painel de astronautas, palestras, competição de robôs e de lançamento de foguetes – e de iniciativas voltadas para a popularização da ciência e das atividades espaciais.

“Representa uma importante oportunidade para o Programa Espacial Brasileiro e para a cidade de São José dos Campos reunir nossa comunidade de instituições relacionadas ao espaço, permitindo maior interação, cooperação global e motivar nossa indústria para as fronteiras da tecnologia espacial”, diz o diretor geral do INPE, Clezio Marcos De Nardin.

Mais de 5 mil profissionais formados em 35 anos

O programa tem como alvo profissionais jovens e experientes de todas as disciplinas vindos de todo o mundo, além de estudantes de pós-graduação. Os projetos em equipe permitem que os participantes refinem, em poucas semanas, um tópico relacionado ao espaço e produzam relatórios de qualidade e apresentações finais. As disciplinas destacadas incluem ciências físicas espaciais, engenharia espacial, aplicações espaciais, exploração espacial e desempenho humano no espaço, política espacial, economia e direito, gestão espacial e negócios e espaço e humanidades.

Iniciado há 35 anos, o SSP é organizado pela ISU, única universidade no mundo inteiramente dedicada à educação espacial desde 1987, e é considerado o mais importante e abrangente programa de treinamento da área espacial, tendo formado já cerca de 5.000 profissionais de mais de 100 países. Hoje, a ISU é composta por uma rede única em todo o mundo com um Campus Central em Estrasburgo, hubs nos EUA e na região da Ásia-Pacífico e parcerias com as principais organizações espaciais no mundo.

O SSP começou pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology – Cambridge, EUA), em 1987, e suas edições anuais já passaram por Strasbourg e Toulouse (França), Toronto e Vancouver (Canadá), Bremen (Alemanha), Adelaide (Austrália), Barcelona (Espanha), Haifa (Israel), Delft (Holanda), Kitakyushu (Japão), Huston, Cleveland, Califórnia e Florida (EUA), entre outras.

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos

Veja também

Geo e Legislação

Anatel vai passar coletar dados de operadoras de satélites

A partir de 2022, as operadoras de satélites nacionais e estrangeiras com direitos de exploração vigentes no Brasil serão obrigadas a entregar à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informações técnico-operacionais e dados econômico-financeiros. Os repasses serão feitos em dois momentos no calendário: no período março/abril e em junho. Segundo a

Não perca as notícias de geoinformação