Sentinel-1B inoperacional desde 23 de dezembro

Satélite Sentinel-1B – Imagem ESA: divulgação

Artur Gil*

O satélite europeu de imagens de radar Sentinel-1B, associado ao Programa de Observação da Terra “Copernicus”, da União Europeia, está inoperacional desde o passado dia 23 de dezembro, em virtude de uma anomalia que resultou em perda de transmissão de dados. A 10 de janeiro de 2022, a ESA – Agência Espacial Europeia confirmou um problema de energia e comunicou que as tentativas iniciais de correção não tinham tido sucesso. Os esforços prosseguem, mas sem previsão para resolver a situação.

Lançado a 25 de abril de 2016, o Sentinel-1B é o segundo de dois satélites da constelação Sentinel-1. Seu “irmão”, o Sentinel-1A, foi lançado no dois anos antes. Os dois equipamentos transportam um sensor radar (SAR) de banda C capaz de fornecer imagens de alta resolução, independentemente das condições climáticas. Além disso, são especialmente adequados para resposta a emergências e a monitoramento marítimo, costeiro e terrestre.

Leia também:

Imagem: Twitter (reprodução)

Na semana passada, o analista Kristof Van Tricht, da empresa belga VITO Remote Sensing, demonstrou no seu Twitter a diferença em termos de cobertura global (em quantidade e qualidade), num período de 12 dias (ciclo completo da constelação Sentinel-1), entre ter a operação conjunta 1A e 1B (à esquerda, na foto acima) e apenas o 1A em funcionamento (à direita, na foto), como acontece agora.

Leia aqui o comunicado de imprensa original da ESA e aqui a sua mais recente atualização.

*Artur Gil é investigador em Ciências e Tecnologias Geoespaciais no Instituto de Investigação em Vulcanologia e Avaliação de Riscos (IVAR) da Universidade dos Açores (Ponta Delgada, Portugal)

Veja também

Agro e Ambiental

Grupo do INPE usa LIDAR para gerar novo mapa de carbono da Amazônia

Um grupo de pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) concluiu recentemente o mais novo mapa para o bioma amazônico, responsável por 49,5% do território brasileiro. Em um estudo inédito que usa a tecnologia aerotransportada de escaneamento a laser LIDAR (Light Detection and Ranging), uma das mais precisas em

Não perca as notícias de geoinformação