SP: Estado cria cartilhas de Mapa de Risco para municípios

O Governo de SP, por meio da Defesa Civil do Estado, desenvolveu duas cartilhas de Mapas de Risco, uma sobre deslizamentos de terra e outra sobre inundação, para tornar mais acessível o compartilhamento de informações sobre como a população pode se prevenir e agir diante desses dois eventos em cada um dos municípios paulistas.

O formato é inédito no país e é mais uma ferramenta na prevenção de desastres e alerta à população.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Seguro rural: geoinformação melhora monitoramento de risco e portfólio

Mapeamento de riscos, agenda urgente de infraestruturas críticas

João Daldegan: “Peritos agrários estão prontos para ajudar na gestão territorial”

O material denominado de Mapa de Risco Comunitário foi organizado pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (CEPDEC) e tem o objetivo de levar informações técnicas já disponíveis em meios digitais em uma linguagem didática e de fácil compreensão para qualquer cidadão.

As cartilhas se comunicam de forma bastante visual. O conteúdo orienta sobre como identificar os sinais de um deslizamento ou de uma inundação antes que os eventos aconteçam, e assim organizar o abandono do local. Placas de identificação e cuidados que podem preservar o ambiente local e a vida também constam na publicação.

Desenvolvido em parceria com a Secretaria de Comunicação do Estado, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA), as cartilhas de Mapa de Risco possuem manual de instrução e espaço para que o gestor municipal insira as informações das áreas de risco municipais, trace as rotas de fuga, defina os pontos de encontro e o local do abrigo provisório, além de outros dados de interesse que sejam de conhecimento da população local.

A partir da adequação da cartilha com as informações da área de risco municipal, o material pode ser impresso, frente e verso. A sugestão do Estado é que o material seja distribuído pelo município às pessoas que estiverem habitando, trabalhando, transitando ou, de algum outro modo, utilizando aqueles locais. O modelo será fornecido às Defesas Civis municipais para que cada um adeque a sua realidade.

O uso das cartilhas pelo poder público municipal independe da existência prévia de qualquer instrumento técnico de identificação e mapeamento de risco municipal. Basta o município ter uma área onde eventos relacionados com deslizamentos de terra ou inundação ocorram, para que a cartilha do Mapa de Risco seja utilizada, levando conhecimento e informação prática para a proteção da população.

A primeira cidade a aderir ao projeto foi Francisco Morato em uma ação realizada junto a uma área de risco do município, em que foram instaladas placas nas ruas, indicando que a área é de risco para deslizamento, identificado pontos de encontro e locais de possíveis abrigos em caso de desastres. Todas essas informações foram incluídas no Mapa de Risco Comunitário que foi distribuído para os moradores.

“Estamos traduzindo uma informação técnica, antes disponibilizada apenas para as Defesas Civis dos municípios, para toda a população. O mapa é didático e claro com relação as áreas de risco, permitindo ações mais rápidas e evitando tragédias”, destaca o Coronel PM Henguel Ricardo Pereira, Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil.

Do Governo do Estado de São Paulo

Veja também

Agro e Ambiental

Incra desenvolve nova funcionalidade para agilizar análise de requerimentos

A análise de requerimentos de retificações, desmembramentos, cancelamentos, sobreposição e remembramento de imóveis rurais protocolados por meio do Sistema de Gestão Fundiária (Sigef) vai ganhar mais agilidade. Uma nova funcionalidade instituiu a “Fila Nacional”, que reúne os documentos formalizados em todas as superintendências do Incra no Brasil por ordem cronológica.

Infra e Cidades

SPU celebra 170 anos e compromisso com o patrimônio imobiliário nacional

Os 170 anos de existência da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) foram celebrados semana passada, em Brasília. Na mesa comemorativa, estavam a Secretária-Executiva do MGI, Cristina Kiomi Mori, o Secretário do Patrimônio da União, Lúcio Geraldo de Andrade, a Secretária Adjunta do Patrimônio da União, Carolina Stuchi, a diretora

Não perca as notícias de geoinformação