STF: Corregedor de Justiça pode cancelar registro de imóvel rural

Por unanimidade, o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) manteve dispositivos de lei Federal que autoriza o corregedor-geral da Justiça declarar a inexistência e cancelar a matrícula e o registro de imóvel rural. A decisão se deu na sessão virtual finalizada em 24/11.

Na ação, a CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil alegava, entre outros pontos, que a lei 6.739/79 permite o cancelamento unilateral do registro de imóvel, em ofensa ao direito à propriedade do produtor rural. Para a entidade, a medida só poderia se dar por decisão do Judiciário, e não por ato do corregedor de Justiça, que exerce apenas função administrativa.

Gostou desta notícia? Clique aqui e receba na hora pelo WhatsApp

Leia mais:

Para especialista, STF “reafirma força e eficácia da LGPD”
STF valida compartilhamento de dados pessoais entre órgãos públicos
Gratuidade da faixa-de-domínio em rodovias opõe STF e STJ

Em seu voto pela improcedência do pedido, o relator, ministro Alexandre de Moraes, lembrou que, de acordo com a Súmula 473 do STF, a administração pode anular seus próprios atos, quando houver vícios que os tornem ilegais. Segundo ele, as providências a cargo do corregedor-geral ocorrem diante de fatos que justificam a sua atuação.

No caso, os dispositivos questionados exigem registro vinculado a título nulo ou em desacordo com a legislação, por provocação de pessoa jurídica de direito público e após sólido exame dos elementos apresentados. O ministro ponderou que, sendo inválidos os títulos registrados, não há que se admitir ofensa ao direito de propriedade, pois ela não deveria existir. A seu ver, a norma questionada foi uma decisão legislativa ponderada diante da necessidade de proteção do registro imobiliário nacional.

Ainda de acordo com o relator, o procedimento administrativo de retificação e cancelamento de matrículas respeita as exigências constitucionais da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal. O corregedor-geral somente cancelará o registro diante de provas irrefutáveis e, após esse ato, o interessado é avisado e poderá ingressar com ação anulatória.

Processo: ADPF 1.056

Confira aqui o voto do relator.

Por Migalhas

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação