STF descarta Censo 2022 no cálculo do FPM. Prefeituras pleitearão anulação

O plenário do STF, por unanimidade, referendou liminar que determinou que a distribuição do FPM – Fundo de Participação dos Municípios deste ano tenha como patamar mínimo os coeficientes de distribuição utilizados no exercício de 2018.

A Corte manteve suspensa decisão normativa do TCU que determinava a utilização dos dados populacionais do censo demográfico de 2022, que ainda não foi concluído.

Veja mais:

Censo em xeque gera crise pública no IBGE

Sistema geo criado pelo IBGE acompanha coleta do Censo 2022

Angola atualiza cartografia para Censo em 2024

Na ação, o PCdoB argumenta que a decisão normativa 201/22 do TCU causa prejuízo ao valor recebido pelos municípios, pois o critério estipulado não contempla a totalidade da população, uma vez que a coleta de dados não foi finalizada. Para o partido, foi descumprida a LC 165/19, segundo a qual não é possível determinar coeficientes de FPM abaixo dos fixados em 2018 até que um novo censo seja concluído.

Em seu voto pelo referendo, o ministro explicou que o último censo de fato concluído pelo IBGE foi o de 2010, e, para salvaguardar a situação de municípios que apresentem redução de seus coeficientes decorrente de mera estimativa anual do IBGE, a LC 165/19 manteve os critérios de distribuição do FPM utilizados no exercício de 2018.

Na análise preliminar do caso, no entanto, o ministro verificou que o ato do TCU desconsiderou esse comando legal e promoveu, a apenas três dias antes do início do exercício de 2023, “profunda alteração dos coeficientes a serem utilizados no cálculo das cotas do FPM”, impactando negativamente os valores a serem repassados a 702 municípios. Essa situação, em seu entendimento, afronta os princípios da segurança jurídica e da proteção da confiança legítima.

Para ele, mudanças abruptas de coeficientes de distribuição do FPM, especialmente antes da conclusão do censo demográfico em curso, podem interferir no planejamento e nas contas municipais e acarretar “uma indesejável descontinuidade das políticas públicas mais básicas, sobretudo de saúde e educação dos referidos entes federados”.

A visão dos municípios

Em torno de 730 municípios se beneficiarão desta decisão, mas outros 330 perderão receita. Muitos destes estão no estado do Amazonas, que já se articula para pleitear a anulação do Censo 2022.

Conforme o presidente da Associação Amazonense dos Municípios (AMM), Anderson Souza, as prefeituras buscarão agora a anulação do Censo Demográfico, pois, segundo ele, ainda pode haver um prejuízo estimado de R$ 50 milhões ao ano na partilha do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

“A devida decisão do egrégio tribunal traz prejuízos ao direito líquido e certo desses municípios, consequentemente de direito fundamentais garantidos pela constituição federal, considerando que tal recurso poderia contribuir com desenvolvimento local acompanhando o Censo atual 2022”, declarou o procurador-geral Christian Galvão.

Processo: ADPF 1.043

Leia o voto do relator.

Com informações do STF, do Migalhas e de A Crítica.

Veja também

Não perca as notícias de geoinformação