UnB faz parceria para uso de imagens de satélites em pesquisas científicas

A comunidade acadêmica da Universidade de Brasília será beneficiada por uma alternativa tecnológica para aplicação em pesquisas com uso de imagens de satélite. A UnB, por meio do Instituto de Geociências (IG), firmou acordo de cooperação técnica com a Santiago e Cintra Consultoria (SCCON), empresa de soluções na área geoespacial e de mapeamento via satélite sediada em São Paulo.


O acordo estabelece que a Universidade poderá dispor das imagens captadas pelo satélite Planet, atualmente composto de 130 nanossatélites, para fins de pesquisa científica. Professores e pesquisadores da UnB podem ter acesso a este serviço até 2025, quando encerra o prazo do acordo, que poderá ser renovado.

Leia mais:

Já em órbita, nanossatélite da UnB vai pesquisar comunicações

AEB e Universidade Federal do Tocantins assinam acordo na área espacial

Sem dados precisos e atuais, universidade decide fazer mapa de banda larga para estado da Virgínia


Esse tipo de tecnologia possui aplicações em diferentes áreas, como energia, infraestrutura, agricultura e meio ambiente. As imagens diárias, de alta resolução, tornam possível monitorar eventos e atualizar com precisão as mudanças do uso e cobertura do solo. “Os diferenciais em relação à capacidade dada pela alta resolução temporal dos produtos Planet foram pontos relevantes [para a parceria]. Estes fatores trazem ainda um significativo diferencial para aplicações também em estudos ambientais, muito além das simplesmente voltadas à geologia ou agricultura”, pontua o docente do IG Edilson Bias.


Esse é o segundo acordo realizado pelo Instituto de Geociências para uso das capturas feitas pelo Planet. O primeiro foi assinado em 2018, quando a tecnologia e a qualidade das imagens ainda precisavam ser avaliadas. “As imagens acabaram sendo usadas por uma aluna que pesquisava o uso do sensoriamento remoto para mitigação de riscos no sistema financeiro, em atendimento a uma resolução do Banco Central que recomenda a tecnologia para liberação de crédito agrícola”, conta o professor. A ferramenta, segundo Bias, reduz a necessidade de inspeção in loco, desonerando o processo de financiamento. 


A pesquisa recebeu o prêmio Pedro Vicente Maldonado, do Instituto Panamericano de Geografia e Historia, de melhor tese em cartografia, geodésia e informação geográfica no ano de 2022.


Além do IG, a ferramenta também tem sido utilizada por pesquisadores da Geografia e da Faculdade UnB Planaltina e, devido a sua potencialidade, outras áreas ligadas à ecologia e paisagens já se mostram interessadas.


COMO SOLICITAR – Podem ser solicitadas imagens até uma área de 2 mil km² no retângulo do Distrito Federal para uso em pesquisas, artigos científicos, monografias, dissertações e teses, sem fins comerciais, com os devidos créditos dados à SCCON/Planet. Os créditos devem ser formalizados da seguinte forma: “O(s) autor(es) agradece(m) o fornecimento dos dados Planet decorrente do ACT firmado entre a FUB e a SCCON”.


Os pedidos devem ser feitos via formulário, onde o interessado deverá registrar informações sobre a pesquisa. Após avaliação do propósito do estudo e da liberação de acesso, a seleção e o download das imagens são realizados na plataforma da empresa.

Fonte: UnB

Veja também

Infra e Cidades

CNJ instala sistema de reconhecimento facial e localização geoespacial

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) adaptou, para nacionalização na Plataforma Digital do Poder Judiciário (PDPJ-Br), o Sistema de Apresentação Remota e Reconhecimento Facial (Saref). O projeto foi inicialmente desenvolvido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJ-DF). O Saref permite a apresentação remota de pessoas que

Não perca as notícias de geoinformação